Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

A "nossa" vencedora PronoKal, 30 quilos antes de virar uma "top model" :)

Tchan tchan tchan tcahn! É ela! É ela! Gira que se farta, com uma vida inteira pela frente (26 anos), mamã de um bebé de 2 anos e pouco, trabalhadora a tempo inteiro como gestora de informação de uma grande empresa, com uma cabeça fantástica e super comunicativa (falei uma meia hora com ela e gostei tanto de descobrir um pouco mais sobre esta lutadora...).

barriga mendinha final.jpg

Chama-se Ana Figueira e .... foi ela a feliz contemplada com um tratamento total e acompanhado pelo e no método PronoKal. Emagrecimento com acompanhamento nutricional, consultas de medicina geral, foco, saúde, exercício físico, personal trainer, reeducação alimentar, motivação, coaching. Tudo, a tudinho, ela vai ter direito. E nós... cá estaremos a acompanhar o processo, a torcer por ela e a contar a sua história...

 

Com 95,7 kg e 170 cm e depois de ter sido já avalida por uma médica protocolada com o método PronoKal, o ambicioso objetivo desta menina passa por perder, de forma consistente e saudável... 30 quilos! 30 pessoal! Imaginem  só a "top model"  que esta miúda  vai ficar...

image1.JPG

Estas fotos, foram tiradas no dia que a conheci. Há uns 3 ou 4 dias atrás. Com uns quilos a mais, é certo, mas com tanta alegria de viver e tanta luz própria que acredito mesm que vai ser bem sucessida nesta dieta. E muito feliz nesta vitória. Ela... e eu.. que não caibo  em mim de contentamento por poder, através do meu Blog Barriga Mendinha, juntamente com a marca Pronokal, proporcionar a uma pessoa escolhida "por sorte" (a dela) mas que parece ter sido escolhida a dedo ( dadas todas as caraterísticas quer físicas quer de personalidade)... uma daquelas, que acredito que vá ser uma das grandes experiências da vida dela.

image4.JPG

 

Ter Sorte... é.... acreditar que se tem sorte!

                    

Há uns dias atrás a Matilde caiu.. mas caiu, tipo assim coisa valente.

 

Estavamos num shopping com pouca gente e connosco, estava também o Hugo, o Afonso Luz e a minha avó Nor. O Afonso brincava saltidando de sofá em sofá, aqueles que há nas pracetas de alguns centros comerciais e era, basicamente nele que eu estava focada. Mais nele até, do que na Matita, porque ali naqueles saltos e equilibrismos nos braços das cadeiras é que eu estava a adivinhar um tombo...

 

Bastaram uns segundos para a marota da Matilde começar a subir as escadas, olhei mas não liguei muito. Ela anda à descoberta. A aprender com o seu corpo, a entusiasmar-se com cada movimento e desafio superado. E naquele dia, era a escadaria. A minha avó estava lá, por isso... achei que estava tudo seguro (sabem aquele pensamento de mãe que nem é bem pensamento é só tipo, um esgueirar de olho, para ver se está tudo livre de perigo??Pronto, foi isso..).

 

Ela sobe um degrau, dois, três, quatro. Eu refilo com o Afonso e digo: "olha que ainda cais!" ... Não caiu ele.. Mas caiu ela. E caiu em silêncio. Só vi de soslaio, mas o que vi assustou-me imenso. Umas cambalhotas tortas e quase em câmara lenta desde o quinto degrau, até ao chão frio de azuleijo. Toda torta, toda desamparada e quase, quase bateu com a cabeça nos degraus, que por milagre parece que se "abriram" atrás para deixar passar a sua cabecinha entre as esquinas deles...

 

Um pânico instantâneo no meu âmago animal de Mãe instalou-se num segundo. Vi-a ainda a cair desamparada e um barulho seco do bater das costas fez eco em mim(acho que foi isso mesmo que a safou). Corri a agarrá-la (no fundo, não foi bem uma corrida, foram 3 passos...). Ela choramingou... mas aparentemente nada se passou para ela. Eu é que tremia como vara verde.

 

Tentei perceber o que se tinha passado. Então, eu estava aqui tão perto e estou sempre tão atenta aos dois... Então a avó Nor estava a dois passos da baby... "Então... e a avó Nor não fez nada? Nem lhe alcançou a mão!", pensei eu toda nervosa e revoltada... Pois. Pois não, na altura não me ocorreu mas percebi depois, mais calma que a avó tem os reflexos de uma velhinha de 86 anos... e que não tem força para apanhar uma bebé de 13 quilos, nem a rapidez que nós temos para se aperceber que a queda estava a acontecer. No fundo... eu é que achei que ela estando "ali", a Bebé estava bem...

 

Erro meu. Esse. O de estar a achar que o Afonso ia cair e não olhar um minuto para ela, o de delegar funções quando só eu é que tenho que cuidar dos meus filhos... sim, sei que pode ser um exagero pensar assim, mas foi inevitável senti-lo. E assim passei rapidamente a culpa do pouco apoio da avó para as minhas costas largas de Mãe... que apesar de não ter culpa efetivamente... me sentia com ela, porque .. "Mãe é Mãe e tem que estar em todo o lado"..

 

O episódio acabou por não correr mal, o susto passou rápido (aos outros..) mas eu fiquei ainda tanto tempo a pensar nisso (ou não estaria a escrever sobre o tema...). Principalmente a pensar como somos nós, impotentes, perante um acidente. Como a culpa deve afetar quem se vê envolvido numa situação de acidente com um filho. O pior pesadelo pode acontecer na situação mais estúpida, num simples momento de desatenção (nosso... e de Deus). Que sensação estranha e que me deixou a tremer por fora e por dentro.

 

Depois de alguns dias a matutar no assunto (uma sensação também sublinhada, assumo, pelas  mediáticas mortes do filho da Judite de Sousa e de 3 crianças num acidente de moto-quatro) cheguei à conclusão de que a atenção e as medidas de segurança são, como é claro, importantes, mas o destino pode ser lixado... Acho que quando tem que acontecer, acontece, quando não... lá nos conseguimos safar e aos nossos.

 

Não há muitas razões para que uma queda aparatosa daquelas não tivesse deixado um arranhão e a minha catraia se tenha assustado menos que com muitos tropeções. Tal como, às vezes, não há também muitas razões para que uma criança se engasgue e sufoque, seja atropelada, mordida por um cão, se afogue ou... seja roubada por um desconhecido... Ai que horror de pensamentos... e nem os digo em voz alta, só os registo aqui porque sei, que quem é Mãe de coração e mão cheia... pensa nisso tanto como eu.

 

Sorte? O que é isso?? Basicamente a palavra mágica. A energia que queremos atrair, a a direção que esperamos que todos estes precauços de vida tenham como destino final. E pronto é isto.. cabeça de Mãe, não pára. Pois não?...

 

E ter Sorte é... basicamente... acreditar que se tem sorte!!  Não acham? Não há mais nada a fazer... E depois, seja o que Deus e o Destino quiserem...

Amen...

                    

A minha Idade Metabólica? uns surpreendentes 24 anos......







A idade cronológica de um indivíduo pode não representar a sua verdadeira idade biológica. 
Descobri isso hoje e de uma forma muito sorridente e airosa. Sim, porque aos 36 dizerem-nos que tenho a idade metabólica de 24.... é mesmo de ficar vaidosa não é?
Para descobrir a idade metabólica de um indivíduo é preciso fazer uma avaliação nutricional e física e enquanto na primeira são identificados os hábitos alimentares, na avaliação física são analisados peso, altura, medidas de circunferência (cintura, quadril, tórax, braço, antebraço, abdômen, coxa e panturrilha) e das dobras cutâneas.




E foi isso que hoje fiz, ao começar uma série de tratamentos estéticos na Clínica Body Concept do Chiado. Medidinha, inquirida e pesada...numa balança toda hiper moderna e quase espacial...uma maquineta que, pelo que entendi utiliza o sistema de medição por bioimpedância (BIA) que mediante um sinal de baixa frequência calcula a gordura e a composição corporal.
E eis que a notícia que me fez ganhar o dia: 24 anos! Ui que maravilha! Menos 12...
Bem, a verdade é que, para além de feliz, também fiquei com a pulga atrás da orelha... e com a certeza de que a genética e e a sorte me têm ajudado mesmo. É que  os maus hábitos tornam o organismo mais velho do que sua idade cronológica e o bons hábitos promovem o efeito inverso.  Essa alteração é uma via de mão dupla, porque indivíduos com idades cronológicas avançadas, que cultivaram hábitos saudáveis na juventude e idade adulta, podem nesses casos ter a idade metabólica reduzida.

No meu caso, a minha vida tem sido de “ altos e baixos”. Durante 6 anos, por exemplo fui vegetariana, e pratiquei bastante exercício, nomeadamente Yoga e cheguei a ser Macrobiótica imaginem ( entre os 24 e os 30 mais ou menos ), mas depois, assumo que me descuidei de novo e a vida de dj, por exemplo ( deitava-me mais tarde, bebia alcool ao fim de semana, dormia de manhã e larguei o ginásio talvez por lei natural da preguiça do estilo de vida que se instalou..) não ajudava. Foi assim, acho que até engravidar do Afonso, aos 33...  ( no fundo os meus 3 anos de “desgraceira” ).
Hoje em dia, não me consigo centrar tanto em mim como em tempos. Os filhos, o constante stress, as horas que não esticam, a vida familiar, o ter que cozinhar não só ao meu gosto. Mas também não estou no extremo oposto, a do desleixo -  em que, assumo, tantas vezes, devido ao cansaço ( as mamãs-profissionais sabem com certeza do que falo), me apetece cair..


Enfim, isto tudo para dizer que hoje é um dia importante para mim. Passo a explicar : se existem tipos de personalidade em que o desafio é “provar” a si mesmo e aos outros que consegue ser melhor quando a “ coisa fica preta”, quando nos criticam, quando nos dizem “não és capaz”..., no meu caso, eu sou o oposto... Quanto mais me “ dão na cabeça” menos força tenho para ser melhor, para me superar mas quando me incentivam a isso.. ui, quando me incentivam a isso, dando uma maravilhosa palmadinha nas costas e deixando-me vaidosa e orgulhosa de mim mesma.. então sinto-me imparável e com vontade de tudo.
É o que está a acontecer agora. Sinto-me sortuda. e se o Universo me dá 24 anos , então tudo farei para não o desiludir. No fundo não tenho que me “ curar”, tenho que me precaver, que me prevenir. E agora.. que cada vez estou mais ciente que o tempo não pára e já passei o meio dos 30, esta foi uma espécie de prenda especial que caiu  o meu colo.
A oportunidade está definitivamente aqui. Continuar a acreditar na juventue, na sorte, na genética mas... tratar de mim. Sim, agora já não posso “ fiar-me na Virgem sem correr”. Porque o tal maravilhoso metabolismo, também se pode fartar de trabalhar por si só enquanto eu estou na sombra da bananeira.
Obrigada balancinha maravilha e contas estatisticamente representativas da minha vida passada, presente e agora... Futura.
Sim... porque a vantagem da idade metabólica dos tais 24 anos, é conseguir a saúde, o coração e o corpinho de menina, mas a cabeça, a razão, as prioridades e a auto estima de uma mulher já mais bem vivida de 36. 
Para isso há que conseguir reencontrar a onda do que me faz bem... porque quantas vezes o que nos faz  pior é o mais viciante de todos os males..
Hoje é dia de festejar. E de traçar objetivos .. Há dias marcantes. Há dias assim...

As grávidas famosas de 2013 ( e os pais da criançada )




Estes são os casais sob os quais os olhos vão estar postos durante o ano que entrou. Elas estão grávidas, são famosas, bonitas e foram bafejadas pela Luz de um novo bebé ( ou 2, no caso da Kim Kardashian que  ainda não se sabe se vai ter gémeos ou não.. ). No ano do azar.. a sorte de Ser Mãe..

Ora vejam lá as que eu considerei as mais emblemáticas... Portuguesas e internacionais. Que tudo lhes corra bem a elas. E a nós.. para irmos acompanhando estes estados de graça ;)








Shakira e Gerad Piquet







Kat Middleton e Príncipe William









Kim Kardashian e Kayne Weast 







Jessica Simpson e Eric Johnson








Isabel Figueira e João Sotto Mayor







Vanessa Oliveira e Kamala







Carla Pereira d'Ascensão e João Conde






Juliana Paes e Carlos Eduardo Batista





Boa gravidez a todas ! É tão bom, tão inexplicavelmente mágico...Enjoy ***