Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

A minha ligação com a minha irmã ...





Rita e Mariana: Irmãs de sangue e de coração ;)



A Minha irmã fez ontem 22 anos!! Vinte e dois! ...


Nada de mais, acho, se a nossa diferença de idades não fosse grandinha (14 anos) e eu tivesse tido ontem, assim de repente... a estranha sensação que sempre ouvi dizer que se tem com os filhos do " ainda ontem nasceu...".


Eu tinha 14 anos e tinha sido filha única toda a minhya infância e todo o início da minha adolescência. Depois ela apareceu. Não foi um descuido não. Os meus pais, que sempre quiseram ter mais filhos, andaram 14 anos a decidir quando a altura ideal para tal. E como nunca era...(nunca o é aliás, por isso é que sou apologista de que se quer muito ter filhos nos dias que correm, não se pode mesmo pensar muito, senão, o mais normal são as desistências atrás de desistências e quando damos por nós temos 40 e tal anos...)... e siga: aos 36 anos, já devia a minha mãe sentir a pressão do "Agora ou nunca",.. decidiu mandar vir a Mariana!


A minha vida mudou totalmente! O aparecimento daquele pequeno Ser revolucionou a minha vida. Os mimos e atenções dividiram-se mas também fui arrebatada pela bonequinha que ela era e sentia, exatamente por me sentir já muito senhorinha no "alto" dos meus 14 anos, uma responsabilidade entre o faternal e o maternal. Aprendi muito sobre bebés nessa época...


Fomos crescendo e eu ao 20 anos saí de casa dos meus pais para arriscar a minha vida de recém adulta na minha nova casinha em Alfama, e assim nos anos que se seguiram fomos passando de irmãs inseparáveis, a irmãs-amigas porque eu deixei de partilhar do seu dia a dia. Aprecebi-me mais tarde, que houve aqui um corte familiar, não consciente mas inevitável. Aqui a diferença de idades assim o ditou, sem dúvida.


Eu trabalhava muito (os meus primeiros anos de apresentadora e repórter), viajava muito (fazia o programa de desportos radicais "Portugal Radical" e andava de praia em praia, de campeonato em campeonato...). Namorava muito, saía muito à noite, tinha muitos amigos e conhecidos... Prioridades de miúda certo??

Fui morar para o Porto por questões profissionais e ela, nessa altura, com uns 7, 8 anos ia passar temporadas comigo e aí sim.. tirávamos a barriga de misérias. Ela adorava. Era tudo diferente da rotina de Lisboa e sentia-se promovida por estar comigo, ir comigo para a rádio, deitar-se mais tarde, estar longe de casa, fazer muitas passeatas.. Umas grandes férias, de tempos a tempos, com a mana mais velha ... e noutra cidade! :)


Fomos crescendo, no entanto, assim, cada uma para o seu lado. Os nossos pais separaram-se tinha ela 13 anos e aí voltamos a falar mais, por isso e também porque eu voltei "à base"... Falavamos sobre os sentimentos, sobre as tristezas, sobre os nostalgias, sobre as razões e algumas emoções mais fortes. Mas cada uma com a sua opinião. Somos "tortas" as duas.. LOL...E ela era adolescente nessa época, tinha uma visão diferente da minha, que já era crescida e conhecia histórias pelas quais ela não tinha passado... Andámos um bocado "às avesas" por causa disso, apesar de não o identificarmos totalmente na altura.


O tempo passou, ela foi crescendo e eu fui amadurecendo. Atualmente, ela parece um pouco mais velha  do que e eu pareço um pouco mais nova do que. Tanto fisicamente, como de cabeça... Estamos muitíssimos mais próximas.  O meu meio profissional  também a isso me obriga e por isso sinto-me agora, muito próxima da geração dela o que nos leva a ter uma relação "tu cá tu lá" que eu, quando ela nasceu nunca pensei que poderia ir ter. Isso sim, faz-me ter a verdadeira precepção do que o Tempo se torna, do que o tempo muda. Mesmo!

Usamos a mesma roupa, temos amigos comuns e ... querem-se rir? Até o nossos namorados têm a mesma idade!! eheheh


Tantas vezes fazia contas.. "quando ela 14 eu terei 28, quando ela tiver 20 eu terei 34... quando ela tiver  35 terei eu quase 50!!".... E..? pergunto-me eu agora... Qual a grande questão? Quando somos mais novos, a idade efectivamente parece um fosso altamente impenetrável, mas conforme vamos ganhando um e mais um ano e vamos tomando consciencia de que nos mantemos jovens de espírito... tudo muda. Afinal... a partir da altura em que nos sentimos " adultos" o que raio é a diferenças de uma geração?...


Acreditem ou não, já foram 2 ou 3 vezes... que nos confundiram com... Gémeas!! Acham normal!?? 


A verdade é que temos parecenças... mas é irónico... com 14 anos de diferença, seria um pouco difícil!! LOL


Amo-a. Amo-a de coração e ela já não é bebé Meu Deus! É tia!!! A tia Mariana! Já trabalha! Já passou por muita maluqueira habitual do crescimento e também por muitos momentos refletivos que a vão fazendo criar o seu próprio caminho. Tanta coisa que eu tenho acompanhado. Umas vezes mais de perto outras mais de longe. Mas sempre "lá"...

Está agora, já a sair da parva idade da adolescência.. a virar uma adulta que gosto. Gosto dos principios, do espírito dela. Já está a deixar de lado o fundamentalismo quase anárquico dos miúdos antes dos 20s e  a entrar na vida adulta com uma frescura mais madura. Tenho um simpático orgulho nela, é verdade.


Agora, ao olhar de longe e ouvindo tantas vezes as palavras da minha mãe que muitas vezes me disse que entre outras razões, que a minha mana era também " uma prenda" que me tinha oferecido a mim. 


"Nunca estarás sozinha" dizia ela. E é verdade. Os irmãos são isso. Um antítodo para a solidão. Um "seguro de vida". Eles estarão sempre lá. 


Muitas vezes, olho também para os meus pequenos pimpolhos e sinto isso também, olhando agora pela minha prespectiva de mãe. O Afonso e a Matilde são a prenda mais importante que alguma vez  poderei oferecer-lhes na vida ! Uma prenda para um e para o outro. A prenda da consanguinidade e da união por um fio invisível e sem limite quilométrico...


A vida com irmãos é, sem dúvida, mais rica e confortável. Teremos sempre aquele "colo". Normais são as desavenças, normais são os momentos de maiores afastamento, mas os de união, normalmente são emotivos, fortes e valem por tudo. E importantíssimos para sabermos quem somos (existe uma ligação às raízes que nunca desaparece quando olhamos o nosso irmão, é quase uma magia)  e para que nos sentamos sempre acompanhados.


Há Amores que duram uma vida. E os Amor de irmãos, normalmente é assim, eterno!


Parabéns Mariana! Pelo teu aniversário! Pela tia que és para os nossos brilhos. Pelas tuas pequenas grandes conquistas. Pela pessoas que és.. e... por teres uma irmã como eu LOL


Aqui ficam alguns registos fotográficos da pimpolha e da família:



 Entre amigas : Meg, recém Mamã Rita e Matita, Mariana e Filipa




 Nós e a mamã Clara




 A Mariana a apoiar-me nas minha actuações como dj




 O Clã do Mulherio ( Mamã, tia e avó com o maroto Afonso Luz)




E aqui?? Mana banana Mariana com... 2 aninhos!




 O nosso pai Mário, o nosso labrador Chilli e o nosso Piripirio Afonso Luz.. com a Marianocas




Sou de novo tia !! Weeee!




A passear em Londres ;) Sempre unidas as 3. 



Escola para pais






A escolha da creche, escolinha, infantário para os nossos filhotes é do mais importante que há. O centro do mundo deles vai passar por lá.

 Por todas as razões clichet e obvias... no fundo, pela filosofia, linha e forma de educação que a entidade segue ( cada um de nós acaba por ter tendências particulares e muito intransigentes ) e  pela  forma mais ou menos rígida  com  tratam os nossos pequenotes. No entanto também a forma de olhar para o núcleo familiar, por parte da própria escola devia ser um fator importante de decisão.


Pelo menos devia ser assim.. É que as crianças crescem, sugando tudo dos dois ambientes:  a escola por um lado e  os pais, a sua casa e família próxima. E cada vez mais, devido às intermináveis horas das obrigações laborais, acabam inevitávelmente por não ter tempo para fazer determinadas reflexões...

E nós, pais, também erramos a às vezes, esses, que consideramos erros tão pequeninos podem afetar e bem a vida dos nossos pirralhos tanto enquanto crianças, como depois na fase adulta ( sim... tudo nos fica da infância, nem que inconscientemente...).


Por isso  tudo  porque dúvidas há muitas...achei interessante divulgar a " Escola para Pais" que pretende melhorar e  promover a qualidade da relação parental, procurando minimizar situações de risco para a criança e simultaneamente  incentivar as famílias para um desenvolvimento saudável, ajustado e adaptado aos menores. Pretende discutir aquilo, que basicamente todos achamos ser importante, mas " nunca temos tempo" efetivo para tirar e pensar acerca...

Uma vez por mês, de forma gratuita ( e não tendo necessidade de ter os filhos inscritos neste estabelecimento ) os pais vão ser convidados a ouvir falar de temas como - sempre entre as 18.30 e as 19.30 - . Não é uma excelente ideia para quem tem algumas dúvidas pedagógicas e de parentalidade?

Ora então aqui segue o programa :


  .  Educar : Permissividade ou Autoridade ? ( 23 Janeiro pela Dra. Maria João Rosado, diretor            do “ Rei Bebé “ )

  • Mudança de ciclo escolar: A ida para o Jardim de Infância ( 20 Fevereiro pela Dra. Ana Cardoso, diretora do Colégio Manuel Bernardes )

  • Harmonização em Educação e Valores Humanos ( 20 Março por Amélia Videira, atiz de teatro )

  • Brain Training ( 17 Abril por Tânia Dimas, diretora da empresa Time4Thinking )

  • O efeito da internet no nosso cérebro ( 15 Maio, por Tânia Dimas, diretora da empresa Time4Thinking )

Parece-vos bem? A mim sim. Lá estarei ;)





Local : Campo Grande, nº 170-1ºdto.
1700-094 Lisboa
Telefone: 217 979 667
www.reibebe.com