Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

Saímos assim... no domingo

Muitas me pedem para ver os looks das minhas migalhinhas de gente com mais pormenor e referenciando as marcas e lojas.

 

Vou tentar começar a fazê-lo com mais regularidade mas ressalvando o seguinte: este não é um blog de moda (apesar de eu gostar dela...). É um blog de partilha de experiências, informação e ideias... por isso terei todo o gosto em ir partilhando com a minha comunidade Mendinha algumas imagens mas tendo sempre em atenção que não vou "chatear" os meus filhos para ficarem horas e horas a posar para as fotos, como por vezes vejo por aí. Acho que isso é tão mas tão "anti-criança...".

 

Sim, quero fotos porreiras mas nada de produções profissionais ou nada do género ( essas tenho o prazer de fazer umas 2 vezes por ano com eles para o blog ecom profissionais top, escolhidos a dedo e depois uma ou outra produção de revista e... tá fechada a época." Enought is enought..."). Quero é aproveitar o tempo que tenho com os meus filhotes, se é que me entendem.

 

Por isso, prometo-vos fotos com o bom gosto possível (o meu, pelo meu olhar, a minha estética), mas... familiares, simples, as possíveis sem os aborrecer muito, estão a perceber? Acho que lhes devo isso, aos meus pequenotes.

 

Ando, como qualquer blogger assumida, sempre munida de máquina, tablet ou telemóvel (ou "trambos"lol) que muitas vezes, fazem parte integrante das minhas brincadeiras com eles e tentarei captar, por isso e dessa fora, o melhor.

 

O melhor dos looks, da energia, da alma, da cor do dia, da disposição e claro.. dos pormenores "vaidosos" das roupinhas e acessórios que tanto nós, Mamãs, inevitávelmente gostamos.

 

E esta... foi a nossa tarde de Domingo.

 

Matilde veste: t-shirt azul com flor aplicada da Zippy

                     calção da Tuc-Tuc

                     Sapatinho/sandália de pano Victoria

 

Afonso veste: long sleave da Zippy

                     Calção da Bonaire

                     ténis da Adidas

 

               

 

               

 

               

 

 

                

 

 

               

  

               

A necessidade de estar só com um "deles"



Partilho hoje umas fotos simples de um passeio de fim de tarde com a nossa Matile Estrela. Nada demais - é uma prática natural fazê-lo agora com o bom tempo - não fosse pelo simples fato de hoje o termos feito sem o Afonso. Um dos priminhos da parte do pai fez anos e ele foi festejar com ele e com a família e ficou a dormir por lá.

Claro que como qualquer coração de mãe... as saudades apertam logo e agora percebo algo que a minha mãe me tentava explicar mas até me irritava um bocado, quando por exemplo eu estava com ela a fazer algo agradável e ela não parava de balbuciar frases como: " Ai que pena a tua irmã não estar, aii, a mana devia gostar tanto de ver..." e coisas que tal. Agora entendo-te Mummy, pronto, dou a mão à palmatória... o nosso Coração multiplica-se em Amor, conforme os filhos que vamos tendo...

No entanto... sim, no entanto... hoje, dei por mim a usufruir imenso desta pirralha que está quase a fazer 10 meses, mais do que normalmente consigo fazer, quando tenho que dispersar os cuidados e atenções pelos dois. 

Com o Afonso Luz (em alguns programas de "crescidos" feitos a dois) já tinha chegado a essa conclusão, a de que ele precisa de momentos sozinho comigo, em que "volto" a ser "toda dele", até porque agora sim, começo a ter a noção de que a evolução da mana, de bebé quase inerte, a menina que exige muitos olhos e arranca muitos sorrisos dos familiares lá de casa.. o está a deixar um pouco melindrado. Está mais mimalho, faz mais birras, quer dormir sozinho comigo " sem mana".. enfim, o que se espera de um menino de quase 3 anos que sente o "seu território ameaçado"...

Mas com a Matilde, que é mais pequenina e com exigências tão diferentes, fez-se hoje o "clic". Foi um passeio simples, mas completamente focado nas suas gargalhadas, nos seus passinhos, com os papás mais unidos nas suas brincadeiras que se centravam unicamente na nossa filhota. E percebi que ela também sentiu essa energia e que nós próprios, mesmo sem nos apercebermos muito bem, de igual forma.

Resumindo, esta pequena confissão aparece ao aperceber-me de que ainda bem que só tenho 2 filhos, porque se tivesse 4 ou 5, seria muito mais difícil, ter estes momentos "unos" com cada um deles. Como tiro o chapéu a essas mães...

É maravilhosa a confusão familiar, suscita a união e até o " desenrasque" das crianças (que eu odeio crianças "enrasquadinhas").. mas cada um deles merece os pais só para si de vez em quando, a atenção total e os programas adaptados aos seus desejos e necessidades e... não são só eles que merecem. Nós também... ;)

Cada filho, é um filho, cada Amor é um Amor, cada momento vivido a sós, vai definitivamente ser importante no desenvolvimento deles e figurar nas memórias afetivas que terão das suas infâncias.

E pronto.. teoria feita... ficam alguns momentos de carinho e de sorrisos deste fim de tarde a 3, tão cheio de simplicidade, mas tão saboroso.

Às vezes, mesmo só muito às vezes... Menos, pode tornar-se definitivamente Mais... ;)