Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

Promessa à minha Filha

 

Enquanto adormecia a minha filha Matilde... apercebi-me que tenho... mais 36 anos que ela. 


E apercebi-me como, aos 37, preciso tanto do Amor da minha Mãe. 


Comecei a fazer contas, a prespetivar o futuro, a imaginar a vida difícil e a vida doce... a que ainda virá aí ao dobrar da esquina... 
Nem todas as pessoas suaves e sinceras têm vidas suaves e sinceras... 


Nem todas as pessoas que merecem, têm a vida fácil... e a minha filha poderá precisar de apoio, mimo, conversas, conselhos, abraços, atenção...
Acabei o momento de carinho, energia, calor, medo e Amor.. a prometer-lhe que não partiria cedo... antes dos 86 anos, pelo menos. Ou seja, antes dos 50 dela... quando ela estiver finalmente preparada..


Porque.. eu estou quase nos 40... e ainda não estou.


E ela... será definitivamente uma extensão de mim. E eu estarei aqui para ela.


... E é uma ordem minha para o Universo... Aqui não há hipóteses a indecisões e inseguranças. É assim e pronto. Por ela. Que é a minha Estrela no Universo...


Resumindo...quem ainda resistir por cá.. vai ter que levar comigo.. por mais 50 anos.. no mínimo.., ahahhah!!! Tomem lá!.. E toma lá Matilde Estrela. Está combinado filha, selado e prometido pumba!!! Amo te mais que tudo miúdinha...


You can count on me. Always... ou até aos... 86 pelo menos...  Tendo em conta, que não somos fisicamente imortais... talvez seja um meio termo muito satisfatório nao é meu Amor..? Pelo menos até aí.. estamos salvas. As duas.


Depois, poderei talvez descansar ao deixar-te a ti e ao mano com os instrumentos para se "safarem" mais uns tempos.. No teu percurso, eu serei o que uma Mãe, uma confissora, uma amiga e uma irmã, poderão ser.


Amor eterno. Hoje nos meus braços e ainda sem palavras a não ser palradas. Amanhã nos meus braços... com o conforto que só eu, porque fui "teu útero" e Amor primeiro, terei.. para te apaziguar das injustiças do mundo e te ensinar a tempo, quais as armas a usar nos dias em que a chuva de espadas começar a cair....

A voz ao Povo...



Se a revolução está mesmo a chegar, ainda ninguém o sabe. A todos nos apetece, mas todos temos medo dela. Mas também temos medo de um futuro na apatia de não ter lutado.

A Palavra vale o que vale.Devia valer muito. Já valeu mais. Hoje, sentimos que o Povo é mais uma estatística do que uma força real, falta-lhe o poder da Mudança na palma das mãos. Os governantes não nos temem. Os governantes não se misturam com o povo. E a desilusão maior, é que os “ do momento” apelidam-se de socialistas.

Como Mãe temo o Mundo que se constrói. O Futuro. Porque a falta de princípios, as demagogias na educação, a precaridade da saúde, de emprego, de soluções calhará cada vez mais vincada na vida dos nossos, por agora, inocentes filhos...

Como Mulher temo o Mundo que se construiu. O Passado. Porque é mais difícil recuperar, tratar, remendar.. do que construir um caminho sem buracos, rasgões ou pontos mal cozidos e por atar.

Como Cidadã temo o Mundo que se constrói. O presente. Porque é nele que nos temos que centrar para resgatar o Passado e apostar num novo Futuro. E muito, mas mesmo muito poucos conseguem vive no Agora. E só ele nos pode salvar.

Estas imagens ( tiradas pelo fotógrafo Hugo Caetano) foram o orgulho da minha família. Porque somos 2 adultos e um deles esteve lá. Eu não pude por questões de trabalho ( e isso nos dias que correm, é prioridade, basta olhar para o número vergonhoso de desempregados ), mas ele esteve lá e fez a “ minha Revolução”.

Porque o seu olhar e a sua lente viram o que os outros viram, mas sentiram-no de forma diferente. Os pormenores, as cores, as emoções, as tensões, os temores, as incertezas de um país que é o nosso, vistas pelo pai da minha filha. Na casa dos 30 anos e com medo que o resto da vida seja vivida num país.. que teve sempre tudo para chegar aos 1000 mas passa a vida quase sempre nos 100.

Se a voz do Povo é ainda relevante, não sei.. Mas que a Energia global deste povo descobridor o é, ainda acredito. Quero acreditar. Para que o Passado, o Presente e o Futuro ainda possam fazer sentido juntos numa frase. Como sempre o fez.. desde o princípio dos tempos...

Força Portugal! Força Portugueses! Nós vamos lá...

(Mais imagens em: Hugo Caetano Fotógrafo)