Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

A alimentação em idade escolar

 

E já que estamos a começar um novo ano, vamos começar bem não acham?

 

A alimentação é, e acho que não restam dúvidas, a base da construção, crescimento e manutenção do organismo.

Comer é essencial à vida. Se comemos mal, funcionamos mal. É na infância que se dá a aquisição e consolidação

de hábitos alimentares. Aquilo que as crianças comem durante o seu crescimento e a maturação biológica, assume

uma enorme importância para a sua saúde e bem-estar, bem como para os adultos que eles virão a ser. Durante a

infância, a alimentação equilibrada potencia a capacidade para estudar e aprender, comunicar, pensar e imaginar,

ou seja, tem uma influência positiva no desenvolvimento emocional, intelectual e social. Fisicamente, aumenta a

capacidade de defesa contra as doenças, promove um crescimento saudável, dá energia e dinamismo físico.

A responsabilidade na educação alimentar é dos pais, dos familiares e da escola...afinal são estes são os modelos

diários, que acabam por ser seguidos, imitados e incutidos. Deixemo-nos de comodismos e facilitismos! Há muito

trabalho a fazer!

               

Deixo-vos aqui as dicas fundamentais que devem seguir...

 

• A roda dos alimentos, 100% criação portuguesa, é um guia óptimo para indicar o caminho certo! Sigam a

roda dos alimentos!

 

• Todas as refeições têm a sua importância ao longo do dia, mas o pequeno-almoço é uma refeição

imprescindível, particularmente em idade escolar, para ajudar na concentração, na promoção de um

comportamento tranquilo e na melhoria de variáveis psicomotoras, nomeadamente ao nível do movimento

e precisão de gestos. A omissão desta refeição pode estar relacionada com a diminuição da capacidade

intelectual, qualidade geral do trabalho, sonolência e fadiga. Não tomar o pequeno-almoço também

implica uma menor ingestão de vitaminas e minerais e consequentemente uma maior ingestão de gorduras

saturadas, e está relacionado com o aparecimento de cáries dentárias, problemas intestinais e os problemas

de sono. O pequeno-almoço deve ser composto por leite ou um substituto deste, fruta e pão ou cereais.

 

• De uma forma geral, a alimentação diária deve incluir cereais e derivados, leite ou substitutos deste,

produtos hortícolas e sopa de legumes (ao almoço e ao jantar), mais peixe do que carne, e 3 a 5 peças de

fruta.

 

• As horas de refeição devem ser momentos de partilha e de convívio! Conversar e saborear, sentados à mesa,

sem pressas! Mas é importante que estabelecer regras e horários.

 

• Coma e incentive o consumo de sopa em casa. Na escola deverão ser as auxiliares, professores ou dietistas

de serviço a fazer essa sensibilização na hora da refeição.

 

• Nunca use a comida como prémio: “se te portares bem, dou-te um doce!”

 

• As crianças devem ser incluídas aos processos de manipulação e confecção dos alimentos, ou seja... devem

pôr a mão na massa! Partilhe os cozinhados com o seu filho sempre que for possível!

 

• A ingestão de doces e comida “fast- food” deve ser esporádica. São prejudiciais se consumidos

frequentemente...se gosta do seu filho, não abuse nem o deixe abusar destes alimentos!

 

• Planeie, antecipadamente, com o seu filho o lanche a levar para a escola. Este deve ser composto por

iogurtes, leite, sumos de fruta pontualmente, fruta, pão com compota, queijo, fiambre, queijo fundido,

etc. Não inclua bolachas com creme, batatas fritas, refrigerantes, bolos, chocolates, croissants entre outros

alimentos pouco saudáveis no lanche do seu filho.

 

• A água está no centro da roda dos alimentos! É vital! Habitue os filhotes a levar sempre uma água na

mochila!

 

• Normalmente as crianças rejeitam alimentos que desconhecem. A introdução de alimentos novos deve ser

feita calma e gradualmente; Nunca desista e dê o exemplo!

 

• As crianças devem aprender a desfrutar da actividade física, devem aprender, antes de mais, a brincar!

Reduza o tempo “não-activo” dispendido com a televisão e jogos de computador.

 

Nunca é demais lembrar que a obesidade é uma doença e atinge cada vez mais a população infantil. Uma criança

obesa ou com uma alimentação errada, será certamente um adolescente e adulto com problemas de saúde. No

futuro terá mais probabilidades de sofrer de patologias cardiovasculares, diabetes tipo II, colesterol elevado e

hipertensão, sem esquecer os distúrbios da personalidade, decorrentes do estigma de ser gordo.

Então...vamos a isto?

As 10 regras básicas para uma Dieta Saudável!

                     

Quando tomamos a decisão de passar a comer melhor ou fazer uma dieta de emagrecimento, existem princípios básicos que são fundamentais para o sucesso dessa mudança! Não vale a pena tomar ampolas, chás, comprimidos, batidos e um sem número de produtos aliciantes que existem no mercado se não houver uma mudança de hábitos! Por vezes estas pequenas, mas tão importantes alterações, ajudam, por si só, a perder algum peso.

 

Nunca esquecer que a actividade física é fundamental para um corpo e mente sãos!

 

Acredito muito na EDUCAÇÃO ALIMENTAR e como dietista, acredito que seja o único caminho viável para atingir o equilíbrio a longo prazo. Manter o peso

saudável, ganhar auto-estima e evitar doenças como a obesidade, a diabetes, a hipertensão e o colesterol são os principais objectivos...e a isto chamamos ganhar SAÚDE!

                    

 

As 12 regras básicas...

 

1 - Tomar sempre o pequeno-almoço. É a refeição mais importante do dia! É a quebra do jejum nocturno e a ingestão de energia necessária para começar um novo dia!

 

2 - Não ficar mais do que 3 horas em jejum e para isso fazer refeições pequenase frequentes: pequeno-almoço, merenda da manhã, almoço, lanche, jantar e ceia. Se a tarde for muito longa, ainda podemos fazer um 2o lanche mais leve. Assim evitamos as "grandes fomes" na refeição que se segue!

 

3 - Comer pelo menos 3 a 5 peças de fruta diariamente. Se quer emagrecer, deve ficar pelas 3.

 

4 - Iniciar o almoço e o jantar sempre com sopa de legumes. A sopa é rica em fibra, vitaminas e minerais. Além dos benefícios que traz para a saúde, ajuda a

saciar e a comer menos quantidade do 2o prato.

 

5 - Acompanhar sempre as refeições com legumes e saladas. Ao comermos estes produtos horticolas, vamos conseguir uma ingestão mais controlada dos hidratos de carbono (massa, pão, arroz, batatas...) conseguindo diminuir a sua ingestão.

 

6 - Alternar a carne com o peixe... e preferir sempre o peixe à carne. Ingerir peixes gordos pelo menos 2 vezes por semana, pois são ricos em ómega 3!

 

7 - Preferir o azeite para temperar e cozinhar. Mas não abusar! Afinal, apesar de ser a gordura de excelência e de ser mais saudável, não deixa de ser uma

gordura!

 

8 - Se ingere leite e derivados, prefira os magros: queijo fresco e requeijão, leite magro, iogurtes magros...

 

9 - Preferir produtos integrais e evitar os refinados (...por exemplo, preferir o pão integral ao pão branco).

 

10 - Evitar os fritos, os folhados, as refeições pré-cozinhadas e industriais. Normalmente são ricas em sal, gorduras e aditivos pouco saudáveis para a saúde.

 

11 - Beba pelo menos 1,5L de água por dia e evite sumos e refrigerantes por serem muito ricos em açucares.

 

12 - Nunca ir às compras com fome. Quando estamos com fome, direccionamos as nossas escolhas para os piores alimentos: bolachas, batatas fritas, doces

e salgados, snacks... A luta deve começar logo no supermercado! Se resistir à compra de alimentos calóricos, já não vai tê-los disponíveis em casa!

 

À procura de um milagre? Não há! Mas há força de vontade! Vamos mudar para melhor?

 

(TEXTO da dietista Dra Marta Simões)

Rastreio Nutricional Infantil no Stand Barriga Mendinha

E no passado Domingo, 6 de Julho, ao acordar, eis que vejo que o S. Pedro nos pregava uma partida! Chovia a cântaros e pensei mesmo que a participação da Barriga Mendinha na Feira da Família organizada pelas Barrigas de Amor iria ficar debaixo de chuva,...mas não passou de uma partida! À hora de almoço veio o sol radiante, o calor e com ele imensas pessoas! Pais e mães, grávidas e futuras mamãs, curiosos, crianças e bebés! Uma festa! A relva verde e fresquinha ajudava no conforto do recinto, simpático e cheio de boa onda ;)

 

A Dietista Marta Simões, lá esteve, a fazer um rastreio nutricional aos meninos e meninas! Auscultar o estado nutricional das nossas crianças nunca é demais e pode servir para alertar alguns pais!

 

Uma balança, uma fita métrica e os gráficos de percentis (Índice de Massa Corporal) foi o material que se utilizou. No nosso rastreio participaram meninos e meninas, com idades entre os 3 e 14 anos. Os resultados que obtivemos foram estes....

                    

 

Apesar de, felizmente, o peso normal ter ganho com maioria absoluta, o excesso de peso e a obesidade estão presentes e levam um cartão vermelho! A obesidade é uma doença, e a obesidade infantil é uma realidade cada vez mais evidente, que tem que ser combatida! É em casa e na escola que as crianças devem ter modelos saudáveis. Os pais devem dar os bons exemplos: sentar à mesa com horários, comer fruta, sopa

e legumes, comer mais peixe do que carne, beber água e deixar os sumos e refrigerantes para dias pontuais, não abusar de doces e fritos!

 

Nesta sensibilização nutricional fizemos ainda uma experiência com alimentos! Quem por lá passou aprendeu a ler os rótulos das embalagens e meteu a mão na massa! Visualizamos o açúcar presente nos refrigerantes e alguns bolos com chocolate que as crianças ingerem frequentemente, observámos, com espanto de muitos, o sal e o óleo presente nos tão adorados pacotes de batatas fritas, e aprendemos que, podemos beber refrigerantes e ingerir alimentos calóricos apenas em dias de festa e dias especiais, sem fazer deles um hábito diário! Além de serem prejudiciais à saúde, engordam e não nutrem um corpo de forma saudável...e para meninos em crescimento, má alimentação, é má construção!

               

               

               

               

                

               

 

O saldo foi positivo. É sempre bom este contacto direto com as pessoas, que permite a sensibilização cara a cara, onde se vê, onde se conversa, onde se experimenta e constata! Sensibilizar é alertar, é despertar!

 

Desejo a todos uma boa alimentação!