Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

A minha conversa com a "Ritinha de 6 anos"

28168087_1553672041369154_5388302236415676589_n.jp

Não faz mais de 2 semanas que fiz uma surpreendente meditação guiada que me "levou" a ter uma conversa com a Ritinha de 6 anos.

 

Dei por mim, fechada num exíguo quarto, cabisbaixa e sem grande anímica, solitária e sem amigos, irmãos ou grandes perspectivas ( estranho, deve pensar quem acha que eu devia "ser uma peste elétrica" em pequena...). Sabem o que eu disse a mim mesma, agora com 40? Olhei me nos olhos e disse-me :

 

"Vê e mostra mundo, o mundo em que ousares acreditar! Motiva os outros a ser melhores e a não se resignarem ao que esta sociedade lhes dá, a deixarem de ser "pequeninos", negativos, coitadinhos e solitários só porque assim os ensinaram a ser. Vai correr tudo bem...Não deixes que te deitem abaixo. Tem força e mesmo quando não te apetecer sorrir... Sorri... Porque assim te inspiras a ti mesma e aos outros! Vai... Foge daqui..."

 

( Claro... Que as palavras não foram estas todas... Mas foi o que os seus/ meus olhos tristes de mel me disseram... E eu... Ai... E eu, nesse momento, de lágrimas a correrem rosto abaixo, senti que, apesar de já não ser uma miúda ainda estou na luta da felicidade e mesmo com tantos anticorpos ao lado, ainda consigo que só me rocem a pele... E não me entrem no organismo. Nem sempre é fácil... Mas é nesta resiliência que reside o orgulho. "Engulo muito desaforo" em prol da paz, aceito muita mesquinhez a favor de um bem maior, evito discussões ao ponto de me magoar as entranhas, acredito que ensinarei os meus filhos a ser fortes e conscientes bem mais cedo do que fui e principalmente continuo a acreditar mesmo com o risco de me chamarem de tola.. que todos viémos ao mundo para ser felizes, mesmo que a uns custe mais tempo a encontrar esse suave cantinho, do que a outros e afastando a energia dos que me dizem diáriamente " a vida é uma merda, a vida custa muito"... ).

 

E a ti "Ritinha".. o que dizer-te? Talvez que ainda vais a tempo... que tudo o que me pediste pode ainda ser real. Pelo menos, estou a tentar fazer por isso. E só isso já vale muito não é pequenota?