Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

As mulheres são mães cada vez mais tarde. Preocupações e realidades.


No passado (e não assim há tanto tempo) a mulher realizava-se quase total e essencialmente através da maternidade, o que actualmente deixou de fazer sentido, uma vez que encontra ganhos e realização pessoal também na área profissional, académica e social. Ser mãe passou a ser uma opção, como tantas outras e o procurar a realização aos outros níveis faz com que a maternidade fique um pouco adiada em termos de idade.




Ao olharmos para a realidade da sociedade actual e no que se reporta ao contexto particular do nosso país, verificamos que existe ainda uma uniformização de tendências ligadas à fecundidade, principalmente no que se refere à diminuição do número de filhos, retardamento da idade média para o nascimento do primeiro filho e concentração do período reprodutivo num número reduzido de anos. Perante estes factos, somos também levados a afirmar que tudo isto é indissociável do desenvolvimento de métodos contraceptivos altamente eficazes que permitem, com uma segurança quase absoluta, definir exactamente o quantum e o timing da fecundidade.

Neste contexto, a decisão de ter um filho, é hoje um passo mais complexo do que no passado. Actualmente, a maioria dos casais sente que deve limitar o número de filhos que vão ter, e que devem ainda adiar a gravidez, até que ambos reunam as condições que consideram indispensáveis para o nascimento de um filho. A maternidade deixa assim, de ser a primeira e única preocupação da mulher, uma vez que a par dela vêm sendo delineados outros ideais.

A maternidade é um dos acontecimentos mais importantes da vida da mulher e representa um desafio à sua maturidade, à estrutura da sua personalidade e é também uma possibilidade para o desenvolvimento de novas competências, seja qual for a idade. Isto decorre do facto da mulher ter de se ajustar a um conjunto de mudanças que se verificam a nível biológico, psicológico, conjugal e familiar. De forma a viver esta experiência de um modo gratificante para toda a família, as alterações psicológicas que ocorrem durante a gravidez, o parto e após o parto devem ser conhecidas. Se a mulher possuir um bom relacionamento conjugal e familiar e um bom suporte social, durante a gravidez e após o parto, estas alterações poderão ser atenuadas e mais facilmente ultrapassadas.

A maternidade e o nascimento de um bebé, seja qual for a idade, é um acontecimento único na vida de uma mulher/casal. Assim, o curso de preparação para o parto e para a parentalidade é, por exemplo, fundamental para esta nova etapa da vida, fornecendo-lhes conhecimentos e habilidades para ultrapassar e lidar com os desafios que se colocam. 

Este Curso de Preparação para o Parto e da Parentalidade deverá ser iniciado entre a 28ª e a 32ª semana de gestação. Com a Preparação para o Parto, pretende-se informar e capacitar a mulher/casal, ou um familiar ou amiga que a irá acompanhar no trabalho de parto e parto, para a utilização de posicionamentos e métodos não farmacológicos de relaxamento e alívio da dor, que ajudarão a vivenciar a experiência do nascimento do seu filho de uma forma positiva e inesquecível. Este prepara também o casal para a Parentalidade, com sessões teóricas e práticas de preparação das famílias, sobre: Trabalho de Parto, Analgesia Epidural, Amamentação e os cuidados a ter com o recém-nascido, nomeadamente o banho, a mudança da fralda, o manuseamento do bebé, posições para relaxar, massagem do bebé, entre outros.

A analgesia epidural obstétrica veio trazer novas concepções sobre a assistência ao parto, humanizando-o. Constitui o método mais eficaz de alívio da dor, não só durante o trabalho de parto, como também no pós-parto (caso o cateter fique aplicado), o que pode evitar perturbações emocionais na puérpera, passíveis de afectar a relação mãe-filho.  De facto, ocorre alívio significativo das dores em quase todas as mulheres, com alívio completo na maioria dos casos. Por outro lado, mantém a parturiente colaborante, podendo mesmo melhorar a dinâmica do parto, pelo alívio da dor e da ansiedade. A técnica tem poucas contra-indicações às quais se contrapõem algumas situações que comprovadamente beneficiam com a sua utilização. A decisão do seu uso deve ser tomada de forma consciente e ponderada, o que só é possível se as utentes grávidas forem informadas atempadamente, durante as Consultas de Vigilância em Saúde Materna.

Actualmente, a alta precoce é uma situação que cada vez atinge um maior número de utentes nas maternidades. Esta alta precoce refere-se, a uma estadia de 48 horas ou menos das puérperas/recém-nascidos, que apresentem situações de baixo risco. 

O apoio incondicional e o ensino a estas utentes são fundamentais neste momento de “crise”, que é o nascimento de uma criança. A equipa de enfermagem de Saúde Materna e Ginecológica (Parteira) logo cedo programa a preparação destas utentes para o dia da alta. Estas intervenções são cada vez mais sentidas como um grande desafio. As enfermeiras especialistas em Saúde Materna e Obstetricia, assumem um papel crucial neste período tão curto e delicado da vida das mulheres que acabaram de dar à luz um novo ser que se encontra completamente dependente delas próprias. O bem-estar e o desenvolvimento de ambos serão tanto melhores quanto melhores forem esses cuidados. As visitas são efectuadas nas primeiras 24 a 72 horas após a alta. Avalia-se o estado geral do recém-nascido e da puérpera. Reforçam-se todas as indicações fornecidas na maternidade dando também apoio psicológico à puérpera, nesta fase tão sensível das suas vidas. 

 A título de conclusão, é um período complexo na vida da mulher e por consequência na vida do casal. É um momento de grandes alterações de ordem biológica e psicológica, que impõem um ritmo de resposta da mulher, também muito rápido e intenso, numa tentativa de adaptação a uma realidade, que é o nascimento de um filho. Num tempo em que, como referimos, se perspectiva o aumento das doenças afectivas, em que as terapêuticas preconizadas são de carácter misto: farmacológicas e psicológicas; acreditamos que é nosso compromisso ajudar o ser humano a aceitar em si mesmo a sua natureza, a parar de fugir dela,e a gozar desse dom do qual ainda tem tanto medo.

“A maternidade em qualquer idade requer que, mais do que: Desejar ter um filho se Deseje ser MÃE!”.

por:
Enf. Ana Nobre

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub