Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

Aquela cena de ser (eu) criança...

 

20196220_tAvuV.jpeg

 

"Aquela cena de ser criança", de não deixar morrer a nossa criança interior, de relembrar  que "nós adultos" não podemos esquecer que nos temos que divertir, curtir as pequenas coisas, ver o mundo com um olhar inocente etc.... pois, essa cena que tanto aparece em posts e frases feitas nas redes sociais entre imagens de baloiros, sorrisos rasgados e meninos na pradaria e que tanto preocupa os "adultos", que não se devem esquecer disso... sou eu! Ou seja, ao contrário dos que se precisam relembrar e estimular essas premissas, sabe Deus, quantas vezes a que custo, de forma a  não se "acizentarem de mais"... eu transpiro essa "criancice" por todos os poros e dou a alma a essa forma de estar. Mas olhem que o reverso da medalha e existe e magoa, ai se magoa... porque quantas vezes, para me fazer valer à frente dos "crescidões da sociedade", tenho mesmo é que abafá-la, ir contra a minha natureza. E nem imaginam o que me custa ter de fazer do que não sou... 

 

E sabem porquê? Porque a sociedade é hipócrita, sim senhora. Apesar destes "apelos" à nossa memória infantil, a verdade é que quando alguém com mais de 20 e poucos anos mostra abertamente essa sede de viver essa "palerma" vontade de existir, essa tosca maneira de ir acreditando na essência humana, essa forma  genuína de relativizar problemas, essa cabeça no ar que se vai perdendo das "coisas sérias" porque a natureza a distrai, porque uma conversa a cativa, porque uma pessoa a encanta.... sim, quando isso acontece, todas as frases feitas dos livrinhos de frases bonitas do bem....passam para o Universo do idilico do "mindfullness" mas que nao se encaixa, de todo na treta da "realidade da vida".

 IMG_20170114_143316_660.jpg

E pronto assim se vai vivendo, entre o orgulho real que tenho nesta minha forma de Existir (e tenho mesmo, por mais críticas que possam pairar por aí à "boca pequena") ,e as desilusões que apanho com as pessoas, que por isso mesmo me passam a perna em três tempos, como se estivessem a enganar literalmente uma "miúda". Entre o oferecer o respeito infantil e verdadeiro e receber em troca, o desrespeito de "velhos do Restelo".Entre o estar tão de bem com a vida que mesmo nos "ventavais" ( ahhaha, era assim que eu dizia vendaval, quando tinha a idade dos meus filhos....) consigo encontrar beleza, e o medo que tenho que esta sociedade me esmague por não fazer as coisas como ela dita, institui, formata e obriga...

 

Bem, hoje, no também instituído Dia da Criança ( já sabem o que penso destes "Dias de...." não sabem?!...), apeteceu-me, então, fazer uma homenagem diferente, não a politicamente correta, às "crianças em cronologia" que sim, tanto merecem ser homenageadas, mimadas e respeitas TODOS os dias, mas aos "Crescidos- Criança" como eu. Acredito que alguns e algumas desta minha "tribo" andem, como eu,  pela vida, num misto de encantamento sincero ao amar a nossa  pura essência e muita  e constante dor de estômago por sermos obrigádos a "viver à séria", segundo as regras, as chatices, as contas, as reuniões, os compromissos, os hábitos e  sobrevicer aos  tantos"maus adultos" que por aí se pavoneiam...

 

A nós, aqueles que esperamos ainda ser criança aos 80 ( tenho uma avó assim, é uma maravilha ;)), àqueles que se sentem tantas vezes melhor entre os miúdos do que os graúdos, àqueles que não se deixam amarrar aos estériotipos das idades, das rotinas, das profissões... a esses... a minha vénia neste dia. Estou convosco e não... não vergarei. Isso queriam vocês!! Ahaahahha!! Feliz dia da criança a nós ( e já agora, também às nossas, que são tantas vezes o acender da chama desta coisa maravilhosa que é o Amor que que os meninos e meninas ainda não "formatados" vivem tão  sem preconceitos, plena e docemente..)

 

Um país em que personalizar se torna perigoso...

mães-mãe-espinha-fala-Frases-quarto-cabelo-você

 

Hoje dei de caras com um texto muito bem escrito sobre a forma como uma mãe (no geral, não lhe conhecemos o nome nem a identidade) lida com as birras da sua filha em público. Mais um do género.

 

Noutro dia, deleite-me com outro em que uma mãe afirma ser "perfeita na sua imperfeição" , uma descrição irónica mas muito realista, sobre os pensamentos e atos que são pouco politicamente corretos, mas que nos passam na cabeça a todas...

 

Mais outro em que alguém conta o que faz "nas costas dos filhos" para seu próprio deleite, até porque uma mãe não deve deixar de ter os seus segredos e os seus pequenos momentos egoístas.

 

Textos sexistas mas divertidos, mães que só querem meninos e as suas diabruras masculinas, outros de mães que só gostam de folhinhos e frufrús. Podemos até não concordar, mas fazem-nos pensar e tentar entrar na vida e experiências de outra mãe. Porque nem todas somos iguais, efetivamente, mas acredito que ao partilhar estas maneiras de estar e de ver a vida familiar, todas as formas acabam por ser válidas e nos fazer pensar... E se?...

 

Textos de mães que se acham o "top" por terem em casa uma equipa de futebol e consideram as de filhos únicos quase que uma farsa no mundo da maternidade, outros textos opostos, em que o filho único ocupa um lugar central na vida de uma mulher que só assim consegue ser feliz e não se imagina a "desfocar" a atenção para outras crianças...

 

Ah.. muita coisa sobre o sono (ou falta dele), o cansaço,  a alimentação, a  educação, o mercado de trabalho VS a vida familiar... principalmente sobre como estes ítens, que no fundo são aqueles que mais nos tocam, às mães dos tempos modernos. Temas que passam muito por histórias e formas de contornar a realidade que que ... há mesmo momentos em que as nossas amadas crianças dão mesmo connosco em doidas! Muita coisa que, basicamente... eu (ou outra blogger que se identifique), por mais vontade que tenha, não podia escrever nunca!!! Ou então teria a cabeça a prémio.

mae-estressada-a-pior-mae-do-mundo-mamae-tagarela-

É triste, porque sim, neste nosso país que tanto amo, mas que de tanto preconceito vive, é assim, enquanto que noutros ( Inglaterra, Estados Unidos, Brasil e até aqui tão perto, em Espanha, por exemplo), existem-nas aos magotes.

 

Mommy bloggers com milhares de  felizes seguidores ( apelido-as de felizes porque não comentam só para criticar, mas muitas vezes para dar ânimo à pessoa que escreve) e.... seguidores que comentam, que aplaudem, que entendem a ironia  e que riem com a "desgraça alheia" de quem sabe rir dos seus próprios stresses familiares (ninguém por dizer que está exausta e precisa de tempo para si, que o seu filho não come nada de jeito, que os coloca de castigo por estar de cabeça em água com as suas má criações ou que não aguenta as birras de outro e por isso, lhe apetece "pendurá-lo" no estendal!... lol... o vai pendura mesmo, get it???)...

fto_ft1_4686.jpg

 A verdade é que há temas de que me apetece tanto falar. Contar histórias mais privadas da minha vida de mãe, um pouco ao espelho dos tais textos que correm aí pela net tão divertidos, incisivos, que colocam o dedo na ferida... e que arrecadam milhares de likes e  comments ao nível do" Pois!! É que é mesmo assim que é lá em casa", "Eu não diria melhor", "Ser mãe não é ser perfeita", "Podia ter sido eu a escrever"... mas não fui.

 

Acabo sempre por desistir porque Eu Existo. Tenho nome, uma imagem pública (há quem acerte e quem não faça puto de ideia de que sou efetivamente) e... somos portugueses. Um povo que gosta de encontrar gaffes, encontrar "no que pegar"...Basicamente é isto.

 

Dou-vos um ou outro exemplo, coisas que me fazem  travar a ironia e forma aberta de escrever sobre temas mais delicados, para que percebam porque me controlo:

 

Imaginem, por exemplo que há uns tempos  cheguei a receber mails e mensagens que roçavam o malcriado, desejando-me mal e aos meus porque eu chamei "diabrete" à minha filha. Chegaram a dizer me que estava a chamar o diabo à minha vida. Ah... quando falei das birras que a Matita faz, dedos foram apontados dizendo que " a minha educação que dou é que não devia ser a correta". No que toca à alimentação, se mostro algum mimo menos saudável ( que não seja integral, fruta ou legumes e tal e tal...Hello!!! Sou preocupada mas não obcecada!!!), recebo mensagens e comentários acusando-me de que dou "veneno" à minha prol ou que devia ter mais atenção ao que lhes ofereço às refeições!...

Universo_Jatoba_birra.jpg

Enfim... e era isto. Tenho pena realmente. Porque quando leio estes textos tão giros, realistas, percebo que a maioria deles, apesar de veiculados por sites e blogues portugueses, são textos traduzidos, ou em última análise adaptados ao português.

 

Por outro lado, observo que as outras mommy opinion leadears aqui da nossa vida digital portuguesinha... quando o tentam fazer, acabam por ser aniquiladas pelas "verdadeiras mães de famíla perfeitas" que existem aí pela net aos montes. Aí. E só aí. E que se acham no direito de se achar melhores ou maiores ou de criticar o que não é para ser citicado, mas sim partilhado.

 

Por isso... é que sinto que mais vale ler e rir com os textos extrangeiros ou não assinados do que me "colocar a jeito" dessas inquizidoras da treta, que só decidem tirar uns minutos para dedilhar o teclado do computador... para dizer mal, porque Eu (ou outra que se identifique e seja real)  assinei a ironia, a asneirada, a piadola, a história embaraçosa, a insegurança, a dúvida ou o sentimento mais íntimo...não é isso minha gente? Que tristeza...

 

É que há tanta coisa "politicamente incorreta" super gira de ser partilhada, não há, digam lá?

 

Toda a famíla tem momentos de família louca, toda a mãe dedicada tem momentos de insegurança, toda a mulher com M grandes tem momentos em que se sente de novo menina e incapaz de seguir em frente. Mas depois... acaba tudo por correr bem de novo. É essa a magia...

 

Há tanto texto e tema irreverente de que se pode falar de forma real e didática,  mas ao mesmo tempo, puxar um sorriso ou até uma gargalhada... Porque de momentos maus, tambem podemos sacar divertimento. Só assim faz sentido...Bem... tanto texto, tanto texto.... Desde que não seja assinado... pelo menos por mim... que não quero ser saco de pancada.

Haus-For-Fun--Adesivo-De-Parede-Familia-Frase-120X

 

 

 

Mamãs de ouro... nos Globos de Ouro

Bem, bora lá falar das farpelas dos Globos de Ouro. E como o nosso Cutie blog é dedicado às mamãs linda que são "tanta coisa em um", claro que timnhamos que falar destas pequenas maravilhas que são os vestidos de gala destas senhoras. Sim, porque o tema é incontornável para quem gosta de moda e mais ainda para quem inveja estes corpinhos invejáveis e muito trabalhados (sim.. elas dedicam muito tempo a esse tema, não tenham ilusões:))

 

Estas foram as actrizes que ganharam os Globos de Ouro este ano nas mais diversas categorias e que, para além do Glamour tinham, com certeza em casa um ou mais pirralhos a apreciar  e vibrar com as Mamãs na passadeira vermelha. Algumas... ainda dentro da sua barriguinha! Mama power nos Golden Globes, ora vejam só...


Na categoria de Melhor Atriz de Drama quem arrecadou, o globo foi a belíssima atriz Julianne Moore, que já foi mãe duas vezes, e segundo os média ( e a maioria da opinião pública), teve gravidezes tardias, mas  mesmo assim... a sua silhueta não nos deixa apontar nada. Está perfeita OMG! Julianne Moore brilhou num vestido Givenchy Couture, metalizado com muitas penas e brilhos. Para mim, dos mais bonitos da noite.

julianne-moore-golden-globes-2015.jpg

Julianne Moore em Givenchy Couture

 

Já Amy Adams que conquistou o globo de Melhor Atriz de Comédia exibiu a sua boa forma física num vestido Versace, que lhe deu uma segurança arrojada. A atriz conseguiu mostrar que recuperou muito bem a forma física depois da sua gravidez aos 35 anos e que ainda é bem capaz de dar nas vistas na red carpet. 

1493148_917973668221840_5416266504583182567_n.jpg 

 Amy Adams em Versace

 

Para receber o globo de Melhor Atriz Secundária, a já mamã de dois filhos, Patrícia Arquette, escolheu um clássico vestido preto da Escada. A Atriz foi mãe pela primeira vez aos 20 anos e em 2003 teve o seu segundo filho. Agora aos 46 anos a atriz continua a ser uma das mais elegantes de Hollywood e sabe adaptar os estilos à sua figura,  não se esqueçam que não é a mais alta das mulheres e por vezes, isso oferece alguma dificuldade nas escolhas. Não adoro... mas cumpre!

zap-golden-globes-2015-red-carpet-photos-20150-006

Patricia Arquette em Escada 

 

Maggie Gyllenhaal, foi mãe pela 2º vez há 3 anos e escolheu um vestido rosa, simples mas que mostra a elegância com que a atriz continua depois da gravidez. A escolha do vestido foi a mais apropriada para o seu estilo que  muito descontraído apesar de ser de gala. ( Aqui entre nós, ela parece-me ser daquelas mulheres de metabolismo acelarado e que não fez grandes esforços para voltar a ser magérrima... não acham? Olhem só os bracinhos dela...)

Maggie-Gyllenhaal-In-Miu-Miu-2015-Golden-Globe-Awa

 Maggie Gyllenhaal em Miu Miu

 

Bem, embora não tivesse ganho nenhum Globo de Ouro em nenhuma das categorias desta edição, Jennifer Lopez nunca deixa nenhum evento sem trazer inúmeros elogios para casa. Este voltou a ser o caso. Estava linda!!! A atriz colombiana brilhou, literalmente, num vestido Zuhair Murad, extremamente decotado e com uma fenda enorme. A Jennifer Lopez é a mamã de eleição pela sua ousadia e sensualidade  e que mostra sempre, em cada Globos de Ouro, o corpo irrepreensível que esta tem. Pudera... faz 3 ou 4 horas de exercício por dia! Tem mais é que mostrar o resultado do seu esforço. Ah.. e quem diria que tem já 45 anos! Fogo...

Capturar2.PNG

Jennifer Lopez em Zuhair Murad

 

E parece que este ano os cai-cai vieram a valer! E esta maravilhosa Mãe e atriz está quase sempre bem. Naomi Watts usou este Gucci com um cinto prateado e numa cor chamativa que lhe acentuou muito bem o corpo!

hbz-gg-2015-best-dressed-naomi-watts-md.jpg

Naomi Watts em Gucci 

 

Adoro-a como atriz, mas não como ícone de moda, sempre a achei muito menina do country.. mas aqui até acertou. Na cor, especialmente. Reese Witherspoon, vestiu Calvin Klein e a simplicidade foi sua aliada.

hbz-gg-2015-best-dressed-reese-witherspoon-sm.jpg

  Reese Witherspoon em Calvin Klein

Fui convidada a escrever sobre o meu íntimo Natal

 

Revista Closet , faz parte do grupo Dolce Vita e lança mensalmente esta publicação com conteúdos ligados à moda, ao lifestyle, à cultura e... à opinião.

 

Todos os meses, uma figura conhecida do público, é convidada a dar voz a um tema atual. Eu fui desafiada a falar do " meu Natal". Um texto muito genuíno e que , provavelmente não será o mais previsível...

 

Espero que entendam, abracem e (alguns) se identifiquem até com alguns sentimentos..

10805558_722600617809638_330871243968133669_n.jpg

 

Ainda a Dora e o nosso "meio artístico" da treta...

 

 

Ainda sobre a história da Dora... 

 

Que muito já foi falada, mas sobre a qual tenho pensado tanto e não podia deixar passar em branco.

 

É que nesta sua jornada há tanto de mim. Porque sou Mãe. Porque sou artista. Porque vivo em Portugal. Porque se percebe que foi o último recurso da cantora, da Mãe.. E como isso me revolta...

 

E porque estas premissas todas juntas fizeram com que esta artista tivesse que aceitar um trabalho humilde e mal pago. Mais ainda... no MacDonalds. E é isso que me mete confusão. Porquê no MacDonalds? Todos sabemos que os turnos são compridos e que os seus empregados são muito mal pagos, até um bocadinho abaixo do que o normal do que noutras lojas, cafés, restaurantes... Porquê aí e não noutro sítio?.. Parece quase castigo, porra!

 

Enfim, a verdade é que este país está completamente subvertido em valores, nomeadamente os culturais. Um país em que se descartam as pessoas que há anos fazem trabalhos artísticos e na comunicação por meninos que mal sabem falar português, que cantam como canas rachas, que dizem ser djs usando softwares que fazem o trabalho por eles, que apregoam que o sonho da vida deles é "ser atores". De quê?? De novela claro!! Julgam que é facil, que se ganha muito e que os fará viver eras de protagonismo.

 

Este é o país que me tem envergonhado a mim e a tantos artistas que nele vivem. Esta é a realidade, que até a mim, que felizmente não passei e espero nunca passar essas necessidades, me tem obrigado a reinventar sistemáticamente e a "criar emprego" para mim mesma. Talvez sinta, que tenha alguma visão, que seja dotada de algum pioneirismo, talvez seja persistente e não me deixe ir abaixo, quando quantas vezes, ao olhar o panorama triste que o meio artístico se tem tornado, é o que me apetece. Desistir. E quantas vezes sou criticada. E quantas vezes me questiono, se vale realmente a pena!? 

 

O problema da desistência? Principamente para pessoas que vivem efetivamente do trabalho, sem "padrinhos", sem famílias ricas? A falta de dinheiro para cobrir as necessidades básicas. Uma tristeza. Uma angústia. Dores de estômago constantes, a par das cartas dos bancos, das finanças, das contas dos supermercados, das necessidades dos filhos... 

 

Quantas vezes "nos" apontam os dedos.. a qualquer coisa. Se fazes é mau. Se não fazes és preguiçoso ou mal agradecido. A qualquer atitude menos perfeita, a alguma resposta torta, a alguma cara menos simpática, a algum comentário pouco oportuno. Quantas vezes, a imprensa vasculha a tua vida, te pinta de negro... quando... me pergunto: Quem não tem telhados de vidro? Quem não viveu histórias difíceis ou tem familiares que  erraram aqui ou ali? Quem não tem? Vocês? Os jornalistas? O público? Não acredito.

 

Por isso e pela procura incessante de trabalho (acordar todo o santo dia e pensar: o que vou fazer para o mês que vem? Tenho que ir batalhar, procurar, criar...), ser Artista e/ou empreendedor não é facil mesmo. E por isso, ainda é mais feio que "se fale do que nao se sabe..". Continuar "Aqui" também é uma luta, garanto-vos.

 

 

Onde quero chegar com isto? Que nem toda a gente consegue, infelizmente dar a volta e que rezo para que nunca me veja numa aflição destas. Que o meio artístico, está cheio "de modas descartáveis" e que isso faz com que essses "insta-famosos" não cheguem sequer a lado nenhum com os seus 15 minutos de fama mas, no fundo como aparecem em vagas e como o país é mínimo, tirem tantas e tantas vezes o trabalho ( e os cachets justos a quem os merece, por estar "aqui" a provar o seu talento e força, há anos). Que acredito, que haja artistas como a Dora, que se cansem de fazer "figura de palhaça triste"no seu proprio país. Sim, porque é assim que muitas vezes nos sentimos efetivamente, depois de um espetáculo ou evento, quando as luzes se apagam e nos vemos de novo sozinhos na nossa realidade... e começamos a fazer contas à  vida.

 

Acredito que mês, atrás de mês, sem espetáculos... ou espetáculos pagos a preço da chuva ( porque respostas como " olhe lá.. por esse valor trago 3 presenças da "Casa dos Segredos" são a ordem do dia, até para mim...) a tenham feito entrar em desespero. Com 3 filhos e contas para pagar, a sua opção foi uma opção válida e de tirar o chapéu. Até porque, acreditem que depois de tomada a decisão, nem sempre se pode apresentar fácil. Muitos não te oferecem trabalho, exatamente pela simples razão de que és "conhecida"...

 

Conto-vos em confidência que há uns anos atrás, quando deixei o "Curto Circuito" da Sic, cheia de certezas de que era boa no que fazia e de que "sem dúvida" a vida me correria bem, dei por mim, sem propostas de trabalho e passado uns meses comecei a ficar aflita. A solução acabou por ser algo que definiu depois a minha vida ( tornei-me RP de uma casa famosa na noite Lisboeta, a antiga Kapital e assim entrei no meio que depois, passo a passo me levou a optar por ser DJ- aliás a "moda dos RPs famosos" acho que nasceu aí, rolava o ano de 2002 ou 3 acho...) e assim começaram a entrar uns trocos. No entanto, antes ainda me desdobrei em contactos para trabalhar na minha área ( tenho o curso de jornalismo da ESCS e tinha formação na área de eventos), pedindo oportunidades a "amigos" que não me atendiam o telefone ou respondiam às mensagens ( alguns deles com quem hoje tenho que me dar cordialmente ainda por questões de trabalho e que provavelmente nem se lembram disso, mas que ficaram marcados na prateleira dos ingratos e interesseiros...).

 

Lembro-me, por exemplo de ter abordado um diretor de uma revista (porque já tinha escrito crónicas para essa publicação) para, quiça, integrar a redação como jornalista. Com um ordenado justo, "normal", com as tarefas e deveres iguais aos colegas de "carteira". Sabem o que me responderam? "Ó Rita, como é que queres que te ponha a trabalhar par a par com quem já te fez montes de entrevistas como celebridade? Achas que eles se iam sentir bem? Quando fosses fazer uma reportagem até ia parecer os Apanhados...."... E com esta enfiei, a viola no saco e mais uma vez percebi que ser "famoso" em Portugal sucks... Existe também perconceito também contra quem tem visibilidade pública, acreditem. 

 

Costumo dizer entre amigos, que se "Eu fosse Eu" noutro país do Mundo estava milionária. E o mesmo estaria a Dora e tantos outros. Sim, porque uma única canção de sucesso num país como os Estados Unidos ou no Brasil, por exemplo, se a pessoa tiver "cabecinha" pode oferecer-lhe um bom ordenado para o resto da vida. A sério, não estou a brincar!! Aqui? Os agentes roubam a torto e a direito, os promotores ficam-nos a dever dinheiros, os discos são mal promovidos e... quase não se vendem, as editoras ficam com metade dos (curtos) lucros. E voltamos ao mesmo... a cada dia que passa, os espetáculos dos artistas "à séria" estão a ser substituidos por "aparições" de emergentes. E o triste é que é disso que o povinho gosta.

 

Voltemos à Dora e aos trabalhos considerados "menores"... lembro-me de dizer, que se um dia tivesse que trabalhar numa loja, fá-lo-ia mas de cabeleira preta de franjinha. Dizia-o com uma certa ironia, mas, no fundo não estava a brincar assim tanto. "Trabalhar não é vergonha, antes pelo contrário"! Agora todos o dizem à boca cheia, parece que fica bem... mas olhem lá... não foi capa de revista? Não foi motivo de conversinha? Não sabem todos o que ganha? E como acham que a Dora se sente? Orgulhosa? Não meus amigos e amigas, quase que vos garanto que não. Orgulhosa estaria se a sua carreira estivesse sido relançada depois do programa " A tua cara não me é estranha"... orgulhosa estaria se estivesse a obter dividendos por fazer o que ama. Aqui? No seu trabalho "das 8 às 8"... está a desenrascar-se pessoal. Pura e simplesmente isso!

 

E como acham que ela se sente com esta mediatização da "desgraça"? Mal. Ninguém gosta que esmiúcem a sua vida. Vocês gostavam?

 

 

 

No entanto e aqui, reside a  minha admiração, talvez fosse este o passo que faltava para que se comecem a mudar mentalidades neste Portugal dos Pequeninos. Porque talvez esta "provação" que esta artista está a passar, faça abrir os olhos do povo e especialmente da imprensa cor de rosa (que é quem manipula e formata os pensamentos do público) para algo que é normalíssimo noutros países, recheados de artistas talentosos... Sim, quando não há trabalho, na área artística, os atores, cantores e afins... servem à mesa, trabalham em lojas de roupa... basta ir a Nova Iorque. 

 

Podem dizer-me. " ah mas não alguém com um protagonismo grande como figura pública". E eu volto a dizer-vos: " Sim... nesses países esses tornam-se milionários, neste acabamos todos por ser desenrascados"..

 

Grande Dora. E grandes todos os outros que procuram ou procuraram alternativas. Gosto de pessoas fortes e ela é-o, sem dúvida. Aqui se vê de que fibra é feita a "miúda". Melhor essa "saída" do que algumas menos honrosas, se é que me percebem.. (e olhem que há umas quantas no meio que optaram por essa via..)

 

Pequenos são também os que ficam presos à sua Pseudo fama e se escondem em casa deles ou de outros a quem se "colam" com histórias tristes e a viver de ajudas alheias, porque " não se podem expor", "porque é uma vergonha", gente que se "decide" a viver depressões e a tentar (ou fingir) pôr termo à vida. Não me levem a mal mas é a minha opinião. Sei do que falo, por experiência própria. Não falo de cor. E olhem que dos "segredos" dos famosos sei eu o que quero e o que não quero...

 

E por aqui me fico, enviando um grande xi-coração cheio de boa energia a esta Mãe, Mulher e Artista (sim, porque não o deixa de ser), esperando que mesmo que tenha que continuar a trabalhar fora da área dela, pelo menos consiga arranjar algo menos mal pago e fora da conotação pejurativa que tem o Mac. ( nada contra, mas vocês sabem do que estou a falar..). Se não.... bola prá frente minha linda! Continua a tua luta como a considerares justa e legítima e boa sorte para o futuro. Mereces.

 

E apesar de tudo, acredito que um dia destes te reencontre aí nas "cantorias" a mostrares o que vales! Força!!

 

PS: E aqui.. não há foto do Mac Donalds. Cum caraças! A mulher é cantora, é linda, tem um brilho muito especial. Prefiro mostrá-la assim do que de farda cor acastanhada. Não concordam?

 

O circo tradicional

Bem, então é assim... opinião nua  e crua...

 

Fui ao circo com o Afonso. O Avô Caetano arranjou-nos bilhetes e.... lá fui eu a mais um programa com o Afonso Luz e ... à vigésima tentativa de gostar de circo... tradicional.

 

Ele gostou. Acho (apesar de querer ver leões e terem aparecido tigres..). Eu não... Não do programa, que é sempre bom fazê-los com os nossos babies, mas do espetáculo. O meu olho clínico de quem faz eventos, de quem tem uma estética muito própria, de quem cada vez menos gosta de magotes de gente excitada, de quem gosta do circo no conceito lato, mas na prática só uma ou duas vezes o apreciou mesmo.

 

Pois, thats  the question...  

 

Não sou fundamentalista. Aliás, não o sou em nada, por isso aqui não seria a exceção. No entanto não gosto muito, pronto. Ainda para mais nas condições do de hoje. Um circo Chen cheio a abarratar até ás costuras da tenda e... com 50 graus lá dentro.

 

A filosofia é consumista até à última ( vender pipocas, fotos, bandeletes e espadas luminosas e os miúdos, claro... a pedir, a pedir, a pedir)...

 

Depois, last but not the least (mesmo, porque acho que é o que me incomoda maioritariamente...)... a "velha" questão dos animais. Podem dizer-me que são muito bem tratados e tal... mas mesmo se assim o fossem, nada disso me convencia, na mesma. Ver focas num ambiente quentíssimo, os felinos completamente "grogues", os dormedários armados em "citadinos", epá.. mete-me efetivamente muita confusão...

 

 

 

 

 

Por isso é que vos disse que o circo TRADICIONAL não é mesmo a minha onda. O circo contemporâneo sim, já me é mais querido ( aí não se usam animais e as artes performativas a que estamos habituados nos espetáculos clássicos são mais aperfeiçoados, elevando os números circences a momentos muito mais teatrais e com uma estética muito própria ). Até porque para quem não sabe, fui durante 2 anos relações públicas do Chapitô, a escola de circo de circo mais próxima do que estou a falar, que existe em Portugal... e um projeto global, que me é especialmente querido... e onde "aprendi" sensorialmente o que devia ser o circo de que gosto.

 

Enfim... apeteceu-me o desabafo, porque venho ainda zonza de tanta confusão, cheiro a pipopa e "Feira Popular" (ui.... sobre esta "nova" feira popular ainda nem vou falar porque vai dar pano para mangas noutro post que vou preparar), mas nada disso invalida que tenha gostado muito. Da tarde. De estar num programa "a dois" com o meu filho e de... por exemplo ter apreciado também algo, que costumo achar muito mauzinho... O Palhaço. O Palhaço de hoje tinha um toque diferente, uma fisicalidade ótima, uma frescura muito... contemporânea, lá está...

 

E pronto tenho dito.

 

Mas também como acho que sou a única da família com esta postura e como os Chens e Cardinalis da vida, fazem parte da magia e tradição do Natal há anos e anos... e porque os meus filhos têm 3 e 1 ano... bem, acho que ainda tenho muitos anos pela frente para apanhar estas "charopadas"... Também não me "furam a tripa" não é?  Só me enjoam um bocadinho Lol...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

GOSTO :

 

 

Das Cores

 

Das inspirações estéticas, principalmente de Moda  que se tirou do circo

 

Da tenda (quando não estão 50º lá dentro...)

 

Das pipocas e do algodão doce

 

Dos ginastas, trapezistas e afins quando os números não são "aquele chapa 5"

 

 

 

 

NÃO GOSTO:

 

Do fato de existirem animais no Show. Acho-os muito queridos mas para vê-los na National Geografic e não fora do seu habitat natural à mercê das regras humanas.

 

Do consumismo associado

 

De roçar muito o ambiente e os artistas de espetáculos pimba

 

O som extremamente alto a furar-nos os tímpanos

 

O pouco "jeitinho" para a representação da maioria dos artistas, mesmo sendo muito bons no resto...

 

 

 

 

 

 

 

 

A primeira " A voz é vossa" - textos das minhas leitoras publicados no BARRIGA Mendinha







ESTA SEMANA, NA NOVA RÚBRICA EM QUE VOS DOU OPORTUNIDADE DE ME ENVIAREM OS VOSSOS TEXTOS E OS PUBLICAR, ESCOLHI OS DOIS SEGUINTES.



DUAS MULHERES DECIDIDAS, FORTES E CHEIAS DE CERTEZAS :) UMA NO QUE RESPEITA AOS SENTIMENTOS, OUTRA RELATIVA À SEXUALIDADE.



ADOREI AMBAS AS REFLEXÕES.



AGORA, JÁ SABEM... TÊM MAIS UMA SEMANA PARA ME ENVIAR TEXTOS E IDEIAS PARA : barrigamendinha@gmail.com.



DEPOIS, PARA A SEMANA QUE VEM, MAIS DOIS SERÃO AQUI PUBLICADOS... CONTO CONVOSCO PARA ENCHER DE PALAVRAS, ESTE VOSSO/NOSSO ESPAÇO?




CÁ VÃO :





"Acho piada à intensidade que certas amizades ganham de um momento para o outro! Mas ainda acho mais graça à velocidade com que essa intensidade se esvai! Pessoas que consideramos de sangue, por vezes mais do que família e que, numa altura da vida em que precisamos delas, simplesmente não estão lá...não me entristece até porque a vida é mesmo assim feita de mudanças: mudanças de lugares, de sentimentos, de pessoas!Nunca aprendi a contar só comigo...precisei sempre duma muleta em que me apoiar por sentir que era incapacitada para enfrentar os bens e os males sozinha! Hoje orgulho-me de me ter libertado dessa prisão e de ter ao meu lado quem realmente importa!
Amigos??? Tenho poucos mas bons, correndo o risco de ser  clichè!Quem está comigo eu sei que está! Quem finge que está em prole da cusquice pensando me enganar eu também vos reconheço! E quem não está, por mais pena que eu tenha, lamento! Porque se não estão é porque não me fazem falta!
 Com isto apenas quero dizer que as pessoas são um animal estranho!
Mas afinal, no fundo, no fundo...eu gosto de animais ;)"

Joana Cruz (de Corroios)





"Osgasmo

Li por estes dias um artigo que dizia que sete em cada dez mulheres portuguesas sofrem de disfunção sexual, relacionada principalmente com problemas associados ao orgasmo. As causas podem ser várias, segundo o estudo, desde stresse, a dores durante o ato sexual, ao vaginismo e as más experiências sexuais.
Após ler o artigo fiquei a pensar como será a vida íntima destas mulheres, pois uma vida sexual satisfatória faz “milagres” e quando isso não se consegue deve realmente ser algo frustrante e até mesmo triste.
Devido à educação, na maioria católica, as meninas são ensinadas que é feio e pecado tocarem no seu corpo principalmente no “pipi” e nas maminhas e isso só as meninas feias e más é que fazem. E as meninas “bonitas e boas” vão crescendo sem nunca se tocarem e quando entram na idade adulta e na primeiras experiencias sexuais não conhecem o seu corpo. E aí começam as más experiências, as dores de que não se gosta e até mesmo a falta de apetite sexual.
Mas depois de descobrirem as maravilhas que o orgasmo faz ui, aí querem tê-los a toda a hora. Vou partilhar uma história que li numa reportagem sobre a maravilhosa descoberta do orgasmo e da masturbação, de que me lembrei a propósito do tema:
“Tive poucos relacionamentos ao longo da minha vida e nenhum deles me satisfazia por completo, sentia que faltava algo. Durante muito tempo pensei que algo se passava comigo, que não era “normal” na cama. Quando as minhas amigas falavam sobre os orgasmos eu ficava calada pois nunca tinha tido esse sentimento. Até um dia...
Cerca dos meus 30 anos conheci uma pessoa com quem vim a namorar, alguém que me preenchia por completo e ao seu lado pela primeira vez tive orgasmos e aprofundei conhecimentos com as maravilhas da masturbação. No meu primeiro orgasmo tive uma sensação inexplicável, todo o meu corpo foi consumido por um formigueiro estranho e eu sentia-me livre e leve. E quis que aquela sensação continuasse e como por magia eles (orgasmos) sucederam-se uns atrás dos outros. E aliada a esta descoberta de sensações aprendi a conhecer melhor o meu corpo e a tocar-me de forma a ter e dar prazer.
Hoje sinto-me um pouco mais completa na cama e desejo em cada relação sentir aquele formigueiro....”
Esta senhora teve alguns anos “infelizes” certamente, mas hoje em dia esperamos que seja uma das 3 em 10 mulheres que tem orgasmos e que após descobrir as maravilhas do sexo que continue a praticar muito e muita qualidade.

Para terminar, deixo um conselho a quem ler este meu artigo nunca tenham vergonha do vosso corpo e não importa se são gordos, esqueletos, baixos, altos, amarelos ou as pintinhas, libertem-se e desfrutem do sexo na sua plenitude e tirem de cada relação o maior prazer possível."

Nova rúbrica de Domingo : "A Voz é vossa"



Lembram-se que num texto aqui há uns dias atrás vos desafiei a vocês e a mim mesma para algumas mudanças aqui no blog?..

Uma delas eram as rúbricas certinhas e semanais...cheias de novidades e temáticas interessantes para vocês.

Enquanto não organizo a lista final para vos apresentar tudo, qual professora, no quadro para os alunos da classe... vou lançando uma de vez em quando.

E esta??.. Ui e esta... tem mesmo a ver com vocês. Sim, porque vocês é que a vão fazer!!

Juro!! Como?

Passo a explicar:

Muitas são as vezes que vocês, por mail ou mensagens privadas no facebook, me fazem chegar opiniões muito consistentes me formato de texto, textos em forma de crónica, outros retirados de publicações e afins...

Ora, a partir de agora, acho que é perfeitamente legítimo que VOCÊS tenham um espaço para vocês mesmas aqui no nosso blog. Para me enviarem textos que eu, aqui no BARRIGA MENDINHA publicarei.

Falem de tudo. Das vossas histórias, experiências, usem o espaço para publicar uma entrevista feita a alguém que achem que o merece, enviem publicações artistícas, poesia, prosa...eu sei lá, vocês enviam, eu escolho uma ou várias por semana.

Todos os domingos, pessoal!! Sim, hoje é dia de publicar "A VOZ É VOSSA", assim se chamará a rúbrica e durante a semana, receberei através do mail barrigamendinha@gmail.com, as vossas palavras e imagens, que depois, obviamente, sofrerão uma triagem para se apurar o interesse, veracidade, consistência "da coisa"... e assim: O Domingo é vosso!

Gostaram da ideia!? Então vamos lá partilhar e puxar pela cuca amigas/os! Estou aqui também para vos dar a oportunidade de se dirigirem a milhares de pessoas...

A partir de... 1, 2, 3... Agora, podem começar a mandar os vossos textos!

E... antecipadamente... agradeço a vossa dedicação e participação.

Mil beijinhos

Rita

O menino do cravo foi viver para Inglaterra....






Há 39 anos, o Digo foi o menino de caracóis loiros, cuja figura reguila se esticava para colocar o cravo numa espingarda de Abril. 

A fotografia tornou-se o símbolo da revolução (e que parecido com o meu Afonso Luz, já viram?!..), mas o miúdo de roupa esfarrapada, descalço, fotografado por Sérgio Guimarães, saiu de Portugal mal atingiu a maioridade.


” Esquece lá isso” deve ter pensado ele.. “ Isto não é para mim…”.


 Foi estudar em Londres e apaixonou-se por uma inglesa. Trabalha lá e tem um filho de 4 ou 5 anos acho…


Diogo Bandeira Freire, o menino da revolução, tem 42 anos, vive numa casa de tijolos vermelhos com um jardim, na margem Sul do Tamisa.


Vive a vida à inglesa: deixa o Audi A3 novo estacionado à porta, para não ter de pagar cinco libras de portagem para entrar no centro da cidade e vai de transportes públicos para o emprego,como tantos o fazem não por falta de dinheiro, mas sim para poupá-lo.. Ah... e porque não sente a necessidade da ostentação que o bólide Xpto lhe empresta  para se exibir enquanto se espreguiça nos semáforos e assobia para a rapariga que passa na passadeira…


 Leva numa lancheira o que comerá ao almoço, fica-lhe mais em conta e gosta do que a mulher prepara em casa. Ah e trabalha como ‘financial controler’ sete horas e meia por dia numa empresa de tecnologia..


E tenho dito!


" 25 de Abril sempre!!! (?)..."


Pelo menos… ainda é Feriado!



J.LO: If she can....

A JLo vem hoje a Portugal dar AQUELE show no Pavilhão Atlântico!!

Uma mulher furacão, digo eu e dizem outros, os entendidos na coisas, que atualmente,  é também a mais poderosa senhora na área da música em todo o mundo. É laaaá! Cuidado...

Linda (e já quarentona imaginem...), simpática, acessível, com uma boa conversa (gosto sempre das suas entrevistas). Não me parece pateta e para mim, que não sou uma apaixonada pelas músicas latinadas, conseguiu um estilo que agrada a gregos e troianos, por ser alegre e ter mensagens positivas e up!

Um ar latino de cortar a respiração, um corpo voluptuosos e bem trabalhado (claro, que o photoshop ajuda sim, mas neste caso ela esforça-se mesmo, nem que seja a correr atrás dos gémeos lol).

Acho que é o tipo de personalidade que as mulheres admiram e com que os homens sonham. E olhem que isso é raro. Normalmente “elas” irritam-nos... São demasiado perfeitas (ou assim o mostram ao público por ações de marketing pessoal constante e porque têm tantos assessores que as sufocam por não deixar transparecer nada mais que a perfeição, mesmo quando isso não corresponde à verdade...). A Jennifer não. Ela continua a ser "the girl from the block”, mostra as suas fragilidades e depois... pumba.... as suas vitórias! Gosto! 


Falo por exemplo da gravidez. Há 4 anos e tal esteve grávida de gémeos e não se escondeu do público enquanto engordava como muitas fazem. Chegou aos 20 e tal quilos a mais e, aqui entre nós, alguns até vaticinaram o Adeus à sua forma invejável, achando que ela nunca mais iria ser a mesma.. A “mesma” não é. Efetivamente o corpo muda e há quem diga que ela ficou mais roliça. Mas... who cares?

Para mim e para muitos milhares, ela está em forma, cheia de energia, continua carismática e presumo que os filhos a completem como mulher. Ah... e depois de se divorciar do feioso do Marc Antony, encontrou um gostosão com menos 18 anos que ela (dá-lhe!), o bailarino Casper Smart e, ao que dizem... até o nome da cantora tem tatuado na.... na... bem.. hum sítio intimo.


Tanta mudança desde a sua gravidez de gémeos (Max e Emma - na foto acima), e quero acreditar que, como qualquer uma de nós, para ela as mudanças também sejam sérias, pensadas, sofridas e sorridas. Verdadeiras.

Mostro-vos estas imagens para que não se sintam "sozinhas". Nessa época, ela continuava bonita, sim senhora, mas mais inchada e bem gordita, longe do esteriotipo de algumas outras famosas que nem 7 quilos engordam e nos deixam roxas de inveja... Passaram 4 anos e a cantora já está toda xuxu e aparentemente feliz (em baixo brinca na praia com Casper e os gémeos). 


Se ele consegue, acreditem que nós também ;)

E olhem só esta barriga já teve lá dentro 2 bebés, por isso meninas, mesmo que com um pingo de inveja, digam lá se se pode ou não tornar um incentivo? Com esforço e dedicação, claro... mas NADA É IMPOSSIVEL. Até porque todas nós acabamos por ser, à nossa medida, a "girl from OUR block" ;)

 Já agora, quem daqui vai ao concerto?