Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

A maturidade "só" aos 41? Ou será que ainda há mais que isto?

 

FOTOS_NOV_2017.jpg

A maturidade é uma coisa estranha. Até porque cada um a sente à sua maneira e no fundo, como tudo o resto, só sabemos que a temos quando damos de caras com a dita. Se a pudesse definir, acho que diria que é tipo assim um misto de nostalgia e alívio, tristeza e encontro com o essencial. Nem é fria nem quente, é morna. Um sorriso envergonhado mas convicto. Um "não gosto lá muito mas é melhor que me habitue e nela encontre coisas boas"... Como uma tarde de Outono na nossa cidade, fresquinha mas confortável com o seu familiar cheiro a castanhas no ar e as luzes que lá nos  vão alegrando um pouquinho, sabe-se lá porquê...

 

Esqueçam lá a cena dos 30, dos 40. A"h mas, para mim é quando nos temos que fazer à vida e saímos de casa dos pais"... "Pois, para mim, a marca de ter filhos é que é a mudança"... "As mulhes são mais maduras, essa é que é essa"... "Os homens são uns eternos miúdos e as raparigas evoluem mais rápido e tornam-se maduras desde cedo"... Bullshit! Tudo isso! Todas as ideias feitas... E sim, digo eu, que (só) agora me parece estar a encontrar essa tal "coisa". 

 

Já senti coisas do estilo. Coisas que achava conhecer até se virem mesmo colar à pele e perceber que afinal "não era bem assim como eu pensava". Só sabemos o que é morrer um ente querido depois de passar por ela ( e eu já passei). Só percebemos o que custa ( ou não custa, depende das situações) uma separação ou um divórcio depois de passar por ela ( e eu já passei). Só entendemos o que é um ataque de pânico depois de nos sentirmos impotentes ao passarmos por um ( e eu já passei). Só sabemos o que é o medo congelante depois de nos depararmos à séria com uma situação catastrófica ou assustadora ( e eu já passei). E... pronto.. só sabemos o que é a maturidade... quando ela começa a entrar em nós. Seja aos 20 ( raro), aos 30 ( até pode ser), aos 40 ( cada vez mais recorrente)... ou... aos 41... como eu!E sim, em todos os clichets anteriores, eu acreditei ( ou lá fui acreditando) que me encaixava, mas agora olho para trás e ... NNhhammm... nada disso.  Isso não quer dizer que fosse alguma parva ou inconsequente, nada disso. Mas, mas... maturidade é "isto" que agora se me está ( finalmente ufff...) a apegar e pronto.

 

 E o que sinto para o dizer assim tão de boca cheia? Para já, o não ter vergonha de o assumir ( sim, no fundo estou a assumir que fui uma "pita" até há bem poucos meses ;)). Depois porque estou a sentir uma coisa estranha tipo um "cansaço" generalizado, não um cansaço preguiço mas um cansaço certeiro, que me obriga a relativizar as coisas para "não me chatear" com o que entendi que me faz mal. Por outro lado, a impulsividade de virar costas, de refilar, de culpar os outros, de mandar vir, está a acalmar. Não pelos outros, que muitas vezes merecem... mas por mim, porque percebi que enquanto não conseguir resolver a vida, a vida se vai resolvendo por mim e não vale a pena lutar com ela.FOTOS_NOV_2017-2.jpg

Atenção que sinto também, outro sinal de maturidade (até me sinto estranha a dizer isto assim de boca cheia, mas olha, é o que é...): no seguimento do que descrevio aqui atrás, esta "calmaria" e aceitação não significa que esteja conformada ao ponto de não sonhar e querer mais e melhor. Antes pelo contrário, acredito mesmo muito que o futuro ( sejam 5 anos ou 50) poderá estar ao virar da esquina com novos e desafiantes momentos, que existem ainda pessoas fantásticas para conhecer, projetos que me realizem à espera que eu os toque e lute por eles...mas... não tem que "ser amanhã", nem tenho que impulsivamente virar costas ao que não me faz bem em prol de um desconhecido que pode ser bem pioro.. Aliás, essa tem sido um pouco a história da minha vida ahahah.... e demorar 41 anos a percebê-lo e mudar padrões foi dose... mas pronto. Parece-me que já está!

 

 Acho que esta é a altura da viragem! (ou mais uma na minha vida, que já teve tantas histórias que me marcaram e moldaram). A verdade é que os tais 40, são efetivamente o início do Outuno da vida.  E por mais que isso me assuste pelo fato.. de já terem passado 2 estações e ( Oh God!...) só haver mais uma pela frente, a verdade é que no respeita à energia que emana é essatamente isso, é assim que me sinto. Fazendo a analogia, acho que estou a entrar na época do conforto crocante da concretização e da ronha. E que raio quer isto dizer na minha cabeça? Bem... que finalmente estou um pouco menos inconformada ( mas ainda tenho alguma dificuldade em embarcar  na  ideologia da "carneirada", que sustenta a sociedade capitalista, mas, mas... enfim.... mas estou melhorzinha porque sinto que tenho mesmo que ser condescendente, para meu bem), que finalmente percebi que viver o dia a dia ( "o poder do Agora") pode e deve existir com a parcimónia de quem vive instalado num comunidade contemporanea), que apesar de nunca saber bem ao que vou.. no fundo, já sei bem o que quero.

 IMG_20171126_160900_893.jpg

E pronto, é isto. Sinto a mudança. E acho que vocês, também a vão ver em mim, nos próximos tempos ( isto se eu a mostrar tão abertamente como costumo fazer.. sei lá, se calhar também isso muda um bocadinho.. perceber que nem todos nos querem bem e resgardar-me mais...). Anyway... até o fato de não me preocupar tanto com isso, com o respeito devido a todos os que me acompanham e seguem e que continuo a adorar, mas... sempre vivi muito procurando a aceitação de terceiros e agora esta entrada a pés juntas na Sr. Dona Maturidade, está me  a oferecer essa liberdade... a de ser Eu e de viver cada momento da vida como Eu acho que tenho que o fazer e não pelo que "os outros" ( família e amigos incluidos) pensam disso... E venha o que vier, que estarei de mantinha de braços abertos para lidar e receber..

 

Cortei o cabelo. E depois? Volta a crescer e além disso há gostos para tudo. Estou mais gordinha? E daí? Já tive um "corpo perfeito" mas era muito mais crítica comigo mesma e mais infeliz. Tenho um filho de cada pai. And? São felizes e integrados e eu sou uma mulher e mãe do caraças! Mudo de profissão muitas vezes? Pois é, sou multifacetada e gosto de tanta coisa... faço-me à estrada quando de um lado deixa de correr bem e não me castro porque vão achar isto ou aquilo, ah e cada vez mais acredito que não podemos ser definidos pelas profissões mas sim pelo que no fim da vida "fizémos" e deixámos no muno.... Sacanearam-me e são más linguas maldozas? Nada de guerras, só desprezo, porque é o nosso/ vosso Ego que nos/vos destroi... engulam o vosso veneno e... Live and let live! 

 

... Até porque esta famosa coisa da maturidade se atinge mesmo quando percebemos que todos, mesmo os que parecem "intocáveis", morrem e a vida dos outros continua depois disso. Estes meses têm sido pródigos nessa sensação de impotencia e estranheza. E as hipóteses? Duas: Ou entrar em pânico e fazer risquinhos na parede a contar os dias que faltam.. ou fazer desses risquinhos e desses dias algo agradável, simpático, amoroso e indolor. Escolho agora a última, que de grandes loucuras e intensidades, já foi a minha primeira metade feita. Ora vamos lá....

 

Os desenhos animados da nossa infância... estão todos velhotes!!

Já que ando tão embrenhada nesta coisa dos aniversários ( este mês de Outubro é o pânico nesta família, somos 5!! a fazer este mês...), decidi entrar na onda e mostrar-vos algo estranho.... mas com muita razão de ser. Sim... porque se todos envelhecemos... porque não os desenhos animados?

 

Esta ideia veio da cabecinha pensadora do ilustrador  Andrew Tarusov  e mostra como os personagens de desenhos animados da Looney Tunes e da Disney seriam se tivessem envelhecido com o tempo.

 

Nas imagens, eternos inimigos como o Tom e Jerry e o Coiote, por exemplo, parecem ter ficado mais sábios com o passar do tempo e superado as diferenças. As classes sociais em que os personagens são retratados também são bem diferentes das que aparecem nos programas infantis. Tudo mudou. No fundo... o que acontece, normalmente na "vida real"...

Tarusov afirmou ao jornal britânico Daily Mail que decidiu desenhar Mickey cheio de anéis de ouro e bem vestido porque imagina que tenha se tornado um grande empresário da indústria do entretenimento. Já Pateta nunca pagou seguros, acabou perdendo a casa e se tornou um morador de rua.

 

 

 

FB_IMG_1443781683247.jpg

FB_IMG_1443781689454.jpg

FB_IMG_1443781695116.jpg

 

FB_IMG_1443781700104.jpg

FB_IMG_1443781705617.jpg

FB_IMG_1443781710608.jpg

FB_IMG_1443781717051.jpg

FB_IMG_1443781722636.jpg

FB_IMG_1443781727850.jpg

FB_IMG_1443781732177.jpg

Um velhinha de 99 anos costura um vestido por dia.. para doar a crianças carenciadas...

O projeto Little Dresses for Africa já distribuiu 2,5 milhões de vestidos para crianças carentes da África. Parte dessas peças foram costuradas por Lillian Weber, uma senhora de 99 anos que vive em uma comunidade de idosos localizada em Davenport, Iowa (EUA). Há dois anos ela destina parte de seu tempo à África e faz um vestido por dia.

 

Os modelos de vestido variam pouco, mas Lillian faz questão de decorá-los de forma diferente. Em cada um deles há um laço, um detalhe ou uma fita que os torna peças únicas. Em 6 de maio de 2015, ela completará 100 anos e se o ritmo continuar o mesmo, irá chegar aos mil vestidos costurados.

 

A organização foi fundada no estado de Michigan, em 2008, e além dos vestidos, envia brinquedos e ferramentas para centros de ajuda em países necessitados. A história de Lilian chegou aos ouvidos do fundador do grupo, que fotografou algumas entregas dos vestidos da quase centenária senhora como forma de agradecimento.

 

Fossem mais velhotinhos/as assim e talvez o sentido da sua vida até passasse a ser outro. Tanto para elas/es como para os beneficiados do outro lado da história....

little-dresses-africa3

little-dresses-africa4

little-dresses-africa5

little-dresses-africa6

little-dresses-africa1

 

A minha Idade Metabólica? uns surpreendentes 24 anos......







A idade cronológica de um indivíduo pode não representar a sua verdadeira idade biológica. 
Descobri isso hoje e de uma forma muito sorridente e airosa. Sim, porque aos 36 dizerem-nos que tenho a idade metabólica de 24.... é mesmo de ficar vaidosa não é?
Para descobrir a idade metabólica de um indivíduo é preciso fazer uma avaliação nutricional e física e enquanto na primeira são identificados os hábitos alimentares, na avaliação física são analisados peso, altura, medidas de circunferência (cintura, quadril, tórax, braço, antebraço, abdômen, coxa e panturrilha) e das dobras cutâneas.




E foi isso que hoje fiz, ao começar uma série de tratamentos estéticos na Clínica Body Concept do Chiado. Medidinha, inquirida e pesada...numa balança toda hiper moderna e quase espacial...uma maquineta que, pelo que entendi utiliza o sistema de medição por bioimpedância (BIA) que mediante um sinal de baixa frequência calcula a gordura e a composição corporal.
E eis que a notícia que me fez ganhar o dia: 24 anos! Ui que maravilha! Menos 12...
Bem, a verdade é que, para além de feliz, também fiquei com a pulga atrás da orelha... e com a certeza de que a genética e e a sorte me têm ajudado mesmo. É que  os maus hábitos tornam o organismo mais velho do que sua idade cronológica e o bons hábitos promovem o efeito inverso.  Essa alteração é uma via de mão dupla, porque indivíduos com idades cronológicas avançadas, que cultivaram hábitos saudáveis na juventude e idade adulta, podem nesses casos ter a idade metabólica reduzida.

No meu caso, a minha vida tem sido de “ altos e baixos”. Durante 6 anos, por exemplo fui vegetariana, e pratiquei bastante exercício, nomeadamente Yoga e cheguei a ser Macrobiótica imaginem ( entre os 24 e os 30 mais ou menos ), mas depois, assumo que me descuidei de novo e a vida de dj, por exemplo ( deitava-me mais tarde, bebia alcool ao fim de semana, dormia de manhã e larguei o ginásio talvez por lei natural da preguiça do estilo de vida que se instalou..) não ajudava. Foi assim, acho que até engravidar do Afonso, aos 33...  ( no fundo os meus 3 anos de “desgraceira” ).
Hoje em dia, não me consigo centrar tanto em mim como em tempos. Os filhos, o constante stress, as horas que não esticam, a vida familiar, o ter que cozinhar não só ao meu gosto. Mas também não estou no extremo oposto, a do desleixo -  em que, assumo, tantas vezes, devido ao cansaço ( as mamãs-profissionais sabem com certeza do que falo), me apetece cair..


Enfim, isto tudo para dizer que hoje é um dia importante para mim. Passo a explicar : se existem tipos de personalidade em que o desafio é “provar” a si mesmo e aos outros que consegue ser melhor quando a “ coisa fica preta”, quando nos criticam, quando nos dizem “não és capaz”..., no meu caso, eu sou o oposto... Quanto mais me “ dão na cabeça” menos força tenho para ser melhor, para me superar mas quando me incentivam a isso.. ui, quando me incentivam a isso, dando uma maravilhosa palmadinha nas costas e deixando-me vaidosa e orgulhosa de mim mesma.. então sinto-me imparável e com vontade de tudo.
É o que está a acontecer agora. Sinto-me sortuda. e se o Universo me dá 24 anos , então tudo farei para não o desiludir. No fundo não tenho que me “ curar”, tenho que me precaver, que me prevenir. E agora.. que cada vez estou mais ciente que o tempo não pára e já passei o meio dos 30, esta foi uma espécie de prenda especial que caiu  o meu colo.
A oportunidade está definitivamente aqui. Continuar a acreditar na juventue, na sorte, na genética mas... tratar de mim. Sim, agora já não posso “ fiar-me na Virgem sem correr”. Porque o tal maravilhoso metabolismo, também se pode fartar de trabalhar por si só enquanto eu estou na sombra da bananeira.
Obrigada balancinha maravilha e contas estatisticamente representativas da minha vida passada, presente e agora... Futura.
Sim... porque a vantagem da idade metabólica dos tais 24 anos, é conseguir a saúde, o coração e o corpinho de menina, mas a cabeça, a razão, as prioridades e a auto estima de uma mulher já mais bem vivida de 36. 
Para isso há que conseguir reencontrar a onda do que me faz bem... porque quantas vezes o que nos faz  pior é o mais viciante de todos os males..
Hoje é dia de festejar. E de traçar objetivos .. Há dias marcantes. Há dias assim...