Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

Solidariedade x 26

 

A Quinta do Roseiral na Zona da Ericeira foi uma grandes surpresas que tive nos últimos tempos...

 

E há coisas que nos "caem" mesmo assim no colo, de vez em quando e que... mais do que fazer sentido... aparecem na altura certa.

 

Eu explico. Por aqui, já tinha referido ocasionalmente, a minha tristeza e incapacidade em dar resposta a tanto pedido de associações de responsabilidade social e a outros tantos projetos de apoio... a verdade é apesar de todos, obviamente merecerem a minha atenção e carinho, há sempre uma ou outra temática que mais me tocam e a verdade é que de quando em vez, lá me vou associando a essas causas.

 

Mas... como em tudo (e se acompanham o meu blog conhecem as vozes críticas e os "haters" que por vezes aparecem a apontar o dedo a tudo e a nada)... aconteceu que, quando publicamente me manisfestei, por exemplo dando "voz" à Make a Wish ou à APCD, de crianças desaparecidas... quase automáticamente recebi mails em que "denunciavam"  o porquê de me associar a umas e não a outras, que devia ter amigos aqui e acolá, que dava importância às Associações "grandes" e não às pequenas... uff... nem imaginam.

 

Ou seja, o que era para ser uma coisa "do bem", torna-se um pesadelo... em que me apontam (mais uma vez o dedo) quando a intenção foi sempre a melhor e... as pessoas têm obviamente que perceber que o blog tem que ter temas variados... 

 

Resumindo, decidi que não ia publicamente dar a cara por nenhuma delas (apesar de isso me custar, acreditem...), implicando essa decisão não só no respeita ao blog, como à Rita Mendes figura pública ou à Dj Rita Mendes e Dj Mendinha... Porque se o fizesse, em vez de me sentir feliz e reconhecida pela ajuda dada... acabaria por ser atacada por "fazer por uns e não por outros"... Oh vida injusta... por uns, acabam por perder todos...

 

Foi no meio de semanas a pensar e a engasgar-me nestes pensamento que... me apareceu este projeto, chamado Natal Solidário by Quinta do Roseiral.

 

Através de um amigo que se envolveu e se lembrou de mim... e depois através da amiga desse amigo...  que me trouxe até aqui. E envolvi-me, pronto... Meu Deus! Parecia uma epifania!! Um projeto que ajudava ... 26 associações. Que maravilha!! E que sentido fez para mim, no meio de todo este contexto que vos expliquei..

 

Era isto! Era perfeito. Ao envolver-me neste projeto em particular, iria poder ouvir in loco, e tomar contato com todos estes projetos e... dar a cara por todos, sem distinguir ninguém, ou mostrar preferências...Brutal! Sim, porque, na realidade, todos o merecem, nem mais um, nem mais outro...

 

O projeto consistia numa tarde cheia de actividades para miúdos e graúdos em que muitos dos parceiros oficiais deste espantoso Quinta do Roseiral, contribuiram com donativos e em que todas estas associações tiveram hipótese de fazer as suas vendinhas de Natal, angariando assim dinheiro indispensável para as suas atividades.

 

E pronto... acho que as imagens "não oficiais" do Evento.... by Barriga Mendinha, descrevem a boa onda e o empenho com que a Ana Dias e a Susana Maia (as duas manas que estão à frente do espaço) imprimiram em todo este acontecimento.

 

Foi uma tarde diferente, muito bem passada, em que fiquei encantada com este espaço inserido numa zona que amo (Sto. Isidoro, entre a Ericeira e Mafra).

 

Assistimos a teatro infantil, estivémos num lanche solidário onde ouvimos os representantes de diversas das Associações presentes, os babies divertiram-se com os pavões que existiam no jardim, fizeram pinturas faciais, cantaram e dançaram, houve um desfile no final... e com uma organização primorosa acreditem.

 

Para o ano... há mais. E espero... que sempre a crescer. E com o meu apoio e da Barriga Mendinha, claro! Tudo isto me fez sentido.. e me "deu muito jeito"... é bom poder abraçar 26.. em vez de 1 ou 2, realmente é... 

 

É bom, perceber que no meio de sofrimento e dor, há pessoas tão boa vibe, tão lutadoras, tão especiais. E é bom , ter contato próximo com essa realidade. E é bom, que mesmo pequeninos, os meus filhos, entendam que são uns sortudos pelas condições de vida que lhes vamos podendo dar.

 

Solidariedade não se dá, oferece-se. E sente-se no coração.