Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Barriga Mendinha

Barriga Mendinha

Dicas sobre como melhorar a vossa vida... ( e o início de uma nova parceria)

vanda_ (41).jpg

 A Vanda Boavida entrou na minha.... vida ( claro está) aos trambolhões... mas depressa, com os seus ensinamentos, percebi que tudo deve estar direitinho e arrumadinho, por isso ( e não só) decidi "roubá-la"  para me/ nos ensinar a tirar partido da coisas boas e a minimizar e afastar as más. Como? Através de uma arte milenar, chamada Feng Shui e que muito tem a ver com os ensinamentos que tenho também tido, no meu caminho, à descoberta da Macrbiótica.

 

Ok, "então expliquem-nos lá isso para que percebamos muito bem"... Sim, já sabiam que me iam dizer isso, e por isso e muito mais, decidi colocar umas quantas questões a esta consultura de Feng Shui, o que é exatamente isto, como "funciona" e como pode influênciar (muito a nossa vida).

 

( Aqui entre nós, ela já me deu muitos conselhos e todos me fazem tanto sentido, mas... mas... estou pouco a adaptar-me mentamente a tudo o que devo mudar. É que por vezes, a inércia e o vício das nossas rotinas e até crenças, custam a desapegar-se de nós... A seu tempo e quanto mais vou conhecendo destes conselhos e lógicas, acredito que vá por cada vez em ação do que é  o essencial do Feng Shui, ou seja da harmonização dos espaços...).

IMG_7437.JPG

 

- Explica-me em 3 frases curtas o que é o Feng Shui?

 

O Feng Shui é uma arte milenar chinesa, com mais de 3.000 anos, em que o objetivo é harmonizar os espaços. 

Os chineses comparam os benefícios que o tratamento que o Feng Shui pode proporcionar a um espaço com os resultados que a terapia da acupuntura pode oferecer a um paciente.

 

- Como é que estas mudanças feitas numa casa podem ajudar a influenciar uma vida?

 

O Feng Shui pode funcionar como um detox exterior em que as cores, objetos e posição dos mesmos têm impato na forma como as pessoas se movimentam e se relacionam com o exterior, promovendo um maior equilíbrio e harmonia entre o individuo e o espaço.

 

- Que sugestões dás para os "primeiros passos" de alguém que quer mudar mas não sabe como?

 

Começar por fazer uma limpeza do espaço e verificar quais os objetos fazem sentido continuar a utilizar (roupas, objetos, mobiliário). Tudo o que é desnecessário ou que já não faça sentido deverá ser vendido, dado ou reciclado. A não acumulação e uma boa organização do espaço é fundamental antes de qualquer outra alteração, face a não se verificar qualquer benefício caso o mesmo não seja concretizado.

 

- Quais as regras essenciais para um bom Feng Shui?

 

O Feng Shui deverá adaptar-se à pessoa e não a pessoa ao Feng Shui, logo tem de se ter em conta a profissão, as atividades as motivações e o gosto pessoal ao nível das cores e matérias a utilizar. Esse é o grande desafio do consultor de Feng Shui, utilizar todo o seu conhecimento em função do cliente de forma a que a consulta seja bem sucedida e que as modificações realizadas, sejam um prolongamento do cliente.

 

- Como é que a nossa data de nascimento ou "ki das 9 estrelas" tem influencia em como devemos organizar a casa?

 

Segundo a nossa data de nascimento, podemos obter um número associado “ki das nove estrelas” – podendo ser Água 1, Solo 2, Árvore 3, Árvore 4, Solo 5, Metal 6, Metal 7, Solo 8 ou Fogo 9 e através destes números podemos organizar a nossa casa com base nessa informação, utilizando as 5 transformações (água, árvore, fogo, solo e metal), quer ao nível das cores e materiais e formas.

 

- Como é que uma pessoa que não entende nada de Bússulas e direções sabe como está a sua casa posicionada?

Caso se utilize um método que tenha em consideração a direção da casa, essa orientação e medição deverá ser feita por um profissional, no entanto, numa fase introdutória, podemos fazer algumas modificações na nossa casa utilizando o Feng Shui Moderno, não sendo necessário esse tipo de medições.

 

- Apesar de o Feng Shui ser originário do oriente e não se festejar o Natal em particular, pergunto-te, se no geral, há dicas para épocas festivas?

 

A mudança de ano é muito importante para os Orientais, no entanto o Natal começa a ser também festejado, não devido a crenças religiosas, mas devido a questões económicas (quase a maioria dos objetos Natalícios são fabricados no Oriente). 

 

As roupas utilizadas durante todo o ano-novo geralmente são da cor vermelha ou de cores vibrantes, pois os chineses acreditam que a cor vermelha afugenta os espíritos malignos e a má sorte. As pessoas também vestem roupas novas da cabeça aos pés para simbolizar um novo começo em um novo ano. Vestir novas roupas também significa a posse de pertences suficientes para usar e vestir no novo ano. O vermelho é a cor da sorte (fortuna).

 

O ano-novo chinês é uma referência à data de comemoração do ano novo adotadas por diversas nações do oriente que seguem um calendário tradicional distinto do ocidente, o calendário oriental.  As diferenças entre os dois calendários fazem com que a data de início de cada ano-novo chinês caia a cada ano em uma data diferente do calendário ocidental. 

 

 

 

Finalmente a divertida sessão fotográfica de Natal...

Finalmente posso mostrar vos a sessão de fotografias de Natal, que aqui os Mendinhos fizeram com a fotógrafa Joana Luís Fotografia.

 

Um fim de tarde, depois da escola, com todos muito cansados mas cheios de vontade de fazer esta sessão. Entre birras e miminhos ( e não são basicamente assim todos os fim de tarde com miúdos, enquanto tentamos tratar da casa e dos afazeres e ainda lhes dar atençao e ter a cabeça no sítio?..), lá conseguimos uns quantos momentos registos de captar em memória. Ora bem, partilho agora esta sessão cujo resultado tanto gostei e que representam a união familiar e o amor que nos une..._MG_6997.jpg

_MG_6976.jpg

_MG_7002.jpg

_MG_7005.jpg

_MG_7009.jpg

_MG_7013.jpg_MG_7041.jpg

_MG_7019.jpg

_MG_7026.jpg

 

_MG_7070.jpg

 

 

 

A maturidade "só" aos 41? Ou será que ainda há mais que isto?

 

FOTOS_NOV_2017.jpg

A maturidade é uma coisa estranha. Até porque cada um a sente à sua maneira e no fundo, como tudo o resto, só sabemos que a temos quando damos de caras com a dita. Se a pudesse definir, acho que diria que é tipo assim um misto de nostalgia e alívio, tristeza e encontro com o essencial. Nem é fria nem quente, é morna. Um sorriso envergonhado mas convicto. Um "não gosto lá muito mas é melhor que me habitue e nela encontre coisas boas"... Como uma tarde de Outono na nossa cidade, fresquinha mas confortável com o seu familiar cheiro a castanhas no ar e as luzes que lá nos  vão alegrando um pouquinho, sabe-se lá porquê...

 

Esqueçam lá a cena dos 30, dos 40. A"h mas, para mim é quando nos temos que fazer à vida e saímos de casa dos pais"... "Pois, para mim, a marca de ter filhos é que é a mudança"... "As mulhes são mais maduras, essa é que é essa"... "Os homens são uns eternos miúdos e as raparigas evoluem mais rápido e tornam-se maduras desde cedo"... Bullshit! Tudo isso! Todas as ideias feitas... E sim, digo eu, que (só) agora me parece estar a encontrar essa tal "coisa". 

 

Já senti coisas do estilo. Coisas que achava conhecer até se virem mesmo colar à pele e perceber que afinal "não era bem assim como eu pensava". Só sabemos o que é morrer um ente querido depois de passar por ela ( e eu já passei). Só percebemos o que custa ( ou não custa, depende das situações) uma separação ou um divórcio depois de passar por ela ( e eu já passei). Só entendemos o que é um ataque de pânico depois de nos sentirmos impotentes ao passarmos por um ( e eu já passei). Só sabemos o que é o medo congelante depois de nos depararmos à séria com uma situação catastrófica ou assustadora ( e eu já passei). E... pronto.. só sabemos o que é a maturidade... quando ela começa a entrar em nós. Seja aos 20 ( raro), aos 30 ( até pode ser), aos 40 ( cada vez mais recorrente)... ou... aos 41... como eu!E sim, em todos os clichets anteriores, eu acreditei ( ou lá fui acreditando) que me encaixava, mas agora olho para trás e ... NNhhammm... nada disso.  Isso não quer dizer que fosse alguma parva ou inconsequente, nada disso. Mas, mas... maturidade é "isto" que agora se me está ( finalmente ufff...) a apegar e pronto.

 

 E o que sinto para o dizer assim tão de boca cheia? Para já, o não ter vergonha de o assumir ( sim, no fundo estou a assumir que fui uma "pita" até há bem poucos meses ;)). Depois porque estou a sentir uma coisa estranha tipo um "cansaço" generalizado, não um cansaço preguiço mas um cansaço certeiro, que me obriga a relativizar as coisas para "não me chatear" com o que entendi que me faz mal. Por outro lado, a impulsividade de virar costas, de refilar, de culpar os outros, de mandar vir, está a acalmar. Não pelos outros, que muitas vezes merecem... mas por mim, porque percebi que enquanto não conseguir resolver a vida, a vida se vai resolvendo por mim e não vale a pena lutar com ela.FOTOS_NOV_2017-2.jpg

Atenção que sinto também, outro sinal de maturidade (até me sinto estranha a dizer isto assim de boca cheia, mas olha, é o que é...): no seguimento do que descrevio aqui atrás, esta "calmaria" e aceitação não significa que esteja conformada ao ponto de não sonhar e querer mais e melhor. Antes pelo contrário, acredito mesmo muito que o futuro ( sejam 5 anos ou 50) poderá estar ao virar da esquina com novos e desafiantes momentos, que existem ainda pessoas fantásticas para conhecer, projetos que me realizem à espera que eu os toque e lute por eles...mas... não tem que "ser amanhã", nem tenho que impulsivamente virar costas ao que não me faz bem em prol de um desconhecido que pode ser bem pioro.. Aliás, essa tem sido um pouco a história da minha vida ahahah.... e demorar 41 anos a percebê-lo e mudar padrões foi dose... mas pronto. Parece-me que já está!

 

 Acho que esta é a altura da viragem! (ou mais uma na minha vida, que já teve tantas histórias que me marcaram e moldaram). A verdade é que os tais 40, são efetivamente o início do Outuno da vida.  E por mais que isso me assuste pelo fato.. de já terem passado 2 estações e ( Oh God!...) só haver mais uma pela frente, a verdade é que no respeita à energia que emana é essatamente isso, é assim que me sinto. Fazendo a analogia, acho que estou a entrar na época do conforto crocante da concretização e da ronha. E que raio quer isto dizer na minha cabeça? Bem... que finalmente estou um pouco menos inconformada ( mas ainda tenho alguma dificuldade em embarcar  na  ideologia da "carneirada", que sustenta a sociedade capitalista, mas, mas... enfim.... mas estou melhorzinha porque sinto que tenho mesmo que ser condescendente, para meu bem), que finalmente percebi que viver o dia a dia ( "o poder do Agora") pode e deve existir com a parcimónia de quem vive instalado num comunidade contemporanea), que apesar de nunca saber bem ao que vou.. no fundo, já sei bem o que quero.

 IMG_20171126_160900_893.jpg

E pronto, é isto. Sinto a mudança. E acho que vocês, também a vão ver em mim, nos próximos tempos ( isto se eu a mostrar tão abertamente como costumo fazer.. sei lá, se calhar também isso muda um bocadinho.. perceber que nem todos nos querem bem e resgardar-me mais...). Anyway... até o fato de não me preocupar tanto com isso, com o respeito devido a todos os que me acompanham e seguem e que continuo a adorar, mas... sempre vivi muito procurando a aceitação de terceiros e agora esta entrada a pés juntas na Sr. Dona Maturidade, está me  a oferecer essa liberdade... a de ser Eu e de viver cada momento da vida como Eu acho que tenho que o fazer e não pelo que "os outros" ( família e amigos incluidos) pensam disso... E venha o que vier, que estarei de mantinha de braços abertos para lidar e receber..

 

Cortei o cabelo. E depois? Volta a crescer e além disso há gostos para tudo. Estou mais gordinha? E daí? Já tive um "corpo perfeito" mas era muito mais crítica comigo mesma e mais infeliz. Tenho um filho de cada pai. And? São felizes e integrados e eu sou uma mulher e mãe do caraças! Mudo de profissão muitas vezes? Pois é, sou multifacetada e gosto de tanta coisa... faço-me à estrada quando de um lado deixa de correr bem e não me castro porque vão achar isto ou aquilo, ah e cada vez mais acredito que não podemos ser definidos pelas profissões mas sim pelo que no fim da vida "fizémos" e deixámos no muno.... Sacanearam-me e são más linguas maldozas? Nada de guerras, só desprezo, porque é o nosso/ vosso Ego que nos/vos destroi... engulam o vosso veneno e... Live and let live! 

 

... Até porque esta famosa coisa da maturidade se atinge mesmo quando percebemos que todos, mesmo os que parecem "intocáveis", morrem e a vida dos outros continua depois disso. Estes meses têm sido pródigos nessa sensação de impotencia e estranheza. E as hipóteses? Duas: Ou entrar em pânico e fazer risquinhos na parede a contar os dias que faltam.. ou fazer desses risquinhos e desses dias algo agradável, simpático, amoroso e indolor. Escolho agora a última, que de grandes loucuras e intensidades, já foi a minha primeira metade feita. Ora vamos lá....